10 coisas odiáveis nos brasileiros

BRAZIL CARNIVAL1 – Carmen Miranda é uma das caras mais reconhecíveis do cinema de Hollywood e chegou a ser a artista mais bem paga dos Estados Unidos durante a década de 40. Além disso, é talvez a celebridade brasileira mais conhecida em todo o mundo. Mais ainda do que Pelé, visto que a sua popularidade não se limita ao mundo que aprecia futebol. Isto tudo apesar de ser natural de Marco de Canaveses. Quanto à nacionalidade portuguesa de Roberto Leal, já ninguém tem dúvidas.

2 – Uma boa parte dos brasileiros acredita que neva em Lisboa durante o Inverno (mais do que uma vez em cada três décadas) e que há morsas e ursos polares a passear sobre a superfície congelada do Tejo.

3 – O brasileiro médio consegue manter um diálogo completo com apenas duas letras. Segue-se um exemplo:

-Gerson, é você?

-Oi!

-Você ainda está doente, rapaz?

-Oi?

-Ouvi dizer que esteve internado no hospital. ‘Tá tudo bem agora?

-Oi.

-Bom, vou indo. A gente se vê por aí.

-Oi…

-Escuta só, você não quer ir no meu apartamento? Mandei instalar um solário. Podemos ficar lá peladões curtindo o ultravioleta. Que tal?

-Sai para lá, boiola. ‘Tou nem aí!

Ou quase…

4 – O hino nacional português dura cerca de um minuto. A duração média do hino da maior parte dos países do mundo não anda muito longe desse valor. O hino nacional brasileiro chega quase aos quatro minutos, estratégia desenhada com o objectivo de desmotivar os adversários em eventos desportivos e possibilitar vitórias por falta de comparência. A letra fala (e fala e fala e fala mais um bocadinho) da heróica conquista da independência do Brasil. E adivinhem quem são os maus da fita durante os quatro minutos inteiros.

5 – O Brasil tem cerca de 186 milhões de habitantes. Existem quatro brasileiros que conseguem realmente imitar a pronúncia portuguesa de forma aceitável. 185 milhões e meio acham que conseguem. Dois terços desses não têm qualquer pudor em fazer a sua imitação em público. Mesmo que seja em plena Rua Augusta.

6 – Graças ao contributo inestimável da comunidade portuguesa emigrada no Brasil, qualquer brasileiro que se preze tem sempre presente a imagem do português de farto bigode, boina e pouca destreza mental, atrás do balcão de uma padaria ou frutaria. Mesmo que nunca tenha conhecido um português de Portugal. Mesmo que ache que Portugal é um estado remoto entalado entre o Mato Grosso do Sul e o Paraná. Com a inversão da tendência migratória e a vinda para Portugal de muitos brasileiros, parecia chegada a altura mostrar como são os portugueses reais e acabar com o estereótipo. O que não aconteceu. É possível encontrar um brasileiro entalado entre uma drag-queen de 2 metros vestida com tubos de néon e um gangster urbano da Margem Sul num arraial Gay Pride (não me perguntem o que lá fazia o gangster, cada qual sabe de si) e, para todos os efeitos, este verá apenas o Manoel e a Maria a dançar o corridinho.

7 – Dodecacampeão. É o título que espera a selecção de futebol brasileira quando vencer o seu 12º campeonato do mundo. Mais vale desistir já e evitar lesões graves na língua.

8 – O brasileiro é místico por natureza. Espiritismo, candomblé, Igreja Universal, cristais, auras, vidência, chakras, Paulo Coelho. E a passagem de ano na praia vestido de branco dos pés à cabeça com um galo preto decepado numa mão, um coco na outra e um charuto aceso entre os lábios. Uma bofetada na cara e talvez ganhassem juízo.

9 – O estado normal do comum dos mortais é uma apatia receptiva e amistosa. O estado normal do brasileiro-padrão é uma euforia histérica e uma aparente paixão incontrolável por qualquer desconhecido que lhes dirija a palavra. Pode ser só simpatia inata. Ou estão a tentar disfarçar que planeiam esventrar-nos com uma colher de sobremesa.

10 – Por ano, morrem cerca de 400 portugueses durante a época do Carnaval depois de tentarem sambar e acabarem com fracturas expostas em ambos os fémures, as rótulas descarnadas e os ossos da bacia enfiados pela cavidade estomacal dentro. Alguém podia explicar que é preciso nascer abaixo do Equador para dançar o samba. Ninguém o faz. E o motivo é só um. Crueldade pura.

12 Comentários

  1. É a cara do brasileiro. Legal

  2. Francisco diz:

    E as 10 coisas adoráveis nos brasileiros?

  3. Muito boa análise, realmente, o que há de pior na mistureba brasileira é, indubitavelmente, reconhecido por quêm deixou a herança. As virtudes brasileiras vieram de todos os lugares se somar àquilo que aqui já estava, já o que dá nojo, o que têm de pior, a herança mais podre e pobre culturalmente, tem sua raiz em um lugar só: um lixo chamado EUROPA!

    • R. Carreira diz:

      Caro Rivanor (aposto que esse é mesmo o teu nome), “quem” não se escreve com acento circunflexo. A Europa também te ama.

      Grande abraço.

  4. Bruno Acad diz:

    Renato, querido, como você pôde esquecer o nosso gosto histérico por ditaduras populalistas e extremadas? Isso aqui é motivo de orgulho nacional, atrás, apenas, do culto à bunda e das salgadinhos fritos em óleo de soja… já temos até nomes bem cotados para próximo Ditador da República, ordenados do mais pateta ao mais babaca, a saber:

    Tiririca
    Zé Gotinha (na cota para os inanimados)
    Antonio Palocci
    Edir Macedo
    Silas Malafaia
    Jair Bolsonaro

    • R. Carreira diz:

      Pois é. Esqueci-me disso. Felizmente, há sempre um leitor atento. Saravá, Bruno. Saravá. (Alguns dos nomes parecem divertidos demais para serem reais, mas o google confirma.

      • Bruno Acad diz:

        Saravá, Renato. Ogum Iê, meu Pai (essa é a parte em que eu faço careta e incorporo alguma entidade africana de nome esquisito)

  5. Não ria do “oi”. O surgimento dele foi uma revolução na língua portuguesa do Brasil, e serviu para economizar o tempo que se perdia com as saudações tradicionais do tipo:
    “O Senhor esteja convosco”
    “Louvado seja Nosso Senhor Jesus Cristo”
    “Joguemos ao alto nossos corações”

    E além do que ainda serviu para tirar as conotações religiosas do início das conversas, o que agradou profundamente a nossa monarquia esquerdista que vigora desde os anos 80… foi como juntar a fome e a vontade de comer.

  6. USHAUAHhaushauHAUSHUAHSUAhausha (risada brasileira)

    Só faltou dizer que a corrupção no Brasil é tão comum, que o slogan “Rouba, mas faz” é um argumento de defesa usado pelos eleitores de certos candidatos.

  7. Renato Cabete diz:

    Tenho que admitir que português fazendo piada de brasileiro é bem melhor que brasileiro fazendo piada de português.

    Renato Cabete
    Campo Grande – Mato Grosso do Sul – Brasil

  8. Portugueses são um bando de invejosos :P hahah, eu ri lendo isso, até que algumas coisas são verdadeiras :x

    Beijos ^^

  9. Ana Lígia diz:

    Isso tudo sem falar das comidas gordurosas e apimentadas e da obsessão por praias! Maaas, nós aqui temos a quem puxar, hoho.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *