Gabriel Falópio Aconselha

gabriele_falloppioAnatomista conceituado, Gabriel Falópio possui séculos de experiência, não apenas na identificação e classificação das partes corpóreas, mas também no aconselhamento íntimo e resolução de problemas embaraçosos. Deixe as suas questões e beneficie do precioso auxílio deste sábio, de forma praticamente gratuita.

Padeço de ejaculação precoce. Tenho procurado informação sobre este problema em literatura especializada, mas não encontrei nenhum caso tão extremo como o meu. Costumo atingir o clímax três meses antes do acto sexual, o que me provoca grandes dissabores. A situação tem-se agravado nos últimos tempos porque, aparentemente, daqui a três meses terei uma vida sexual muito mais activa do que tenho agora e as ejaculações ocorrem várias vezes por dia e nas circunstâncias mais inconvenientes. O que posso fazer para… (lá foi mais uma) remediar este problema?

Dário Sandro Polichinelo, 28 anos, Guarda

O seu caso não é unico, caro consulente. A ejaculação precoce aflige número considerável de homens e também algumas mulheres e cetáceos de águas temperadas. Para lidar com o problema, deverá abstrair-se do mesmo durante o acto sexual e, maximizando a descontracção, deverá procurar formas de retardar o orgasmo. Se não lhe ocorrer método mais eficiente, experimente fechar os olhos e visualizar Teresa Guilherme. Se, mesmo assim, não resultar, experimente visualizá-la nua. Este método poderá surtir o efeito extremo de lhe anular o desejo sexual durante semanas ou mesmo meses. Mas preocupe-se com esse problema apenas se surgir. Não é necessário sofrer por antecipação. Garanto-lhe que esta última frase não pretendeu troçar do seu incómodo. Estamos num consultório sério.

Por recomendação de uma colega, comecei a utilizar um brinquedo vibratório na minha prática masturbativa. No entanto, como sou uma mulher de grande apetite lúbrico, gasto grande quantidade de pilhas e com grande rapidez. Gostaria de saber se existe uma alternativa mais viável e económica.

Irmã Celeste de Jesus, 42 anos, Coimbra

De facto, tornar-se-á demasiado dispendioso. Consulte o fabricante do seu brinquedo e verifique se o mesmo poderá ser ligado a um gerador. Se assim for, o seu problema estará resolvido. A ligação ao gerador aumentará a potência da vibração, o que, além de maximizar a fruição, permitirá gerar electricidade pelos movimentos do corpo durante as suas sessões de prazer solitário. Desta forma, poderá rentabilizar o investimento feito no gerador e contribuir para a salvação do planeta, tornando-se uma fonte de energia renovável. E isto será importante porque o aquecimento global é (possivelmente) uma realidade.

Sinto excitação sexual quando vejo cogumelos ou neles penso. Mas não quando lhes chamam champignons (acho possidónio quando assim é). Tenho conseguido viver bem com esta particularidade, mas receio muitas vezes que seja um fetiche demasiado doentio.

Laura Pinacotechi de Sá, 39 anos, Estoril

Não existe qualquer motivo para alarme. Os cogumelos são fungos e, como tal, não são animais nem plantas. Facilmente se compreenderá como esta natureza ambígua poderá provocar excitação sexual sobretudo em pessoas que apreciem comportamentos-limite. Mais dificilmente se compreenderá a aversão ao nome francês dos mesmos. É desaconselhável formular uma opinião sem pormenores adicionais, mas tudo aponta para um trauma de índole gaulesa algures no seu passado. Recorda-se de ter sido alguma vez penetrada por um pão de tipo baguete?

5 Comentários

  1. Está uma delícia. :)
    (A sugestão do gerador parece-me excelente: vou experimentar!)

  2. António Nónimo diz:

    Finalmente alguém que percebe de sexo em Portugal!

    Pensava que nunca mais voltava, ó Dr… Já começava a parecer o orgasmo de uma mulher casada.

    • Gabriel Falópio diz:

      Passe pelo consultório e discutiremos o assunto, bom jovem. Não traga calças.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *