Grupos terroristas portugueses que ninguém conhece

O país tem sido agitado por notícias que dão conta de uma realidade com paralelos na nossa história recente, mas que deixou de nos ser familiar. As autoridades portuguesas prenderam  em Trás-os-Montes dois bascos acusados de pertencerem à ETA e fala-se já da possibilidade de a organização terrorista basca possuir em território português uma base de apoio às suas operações no país vizinho. É possível que tudo não passe de um exagero. A inÉpcia sabe que os dois pretensos terroristas foram detidos após denúncia anónima e apenas porque encaixavam na imagem tradicional dos etarras (gorro de lã enfiado pela cabeça abaixo e deixando apenas os olhos à mostra, postura conspirativa e expressão num idioma de difícil compreensão). Ou seja, em pleno Inverno, o etarra padrão assemelha-se muito ao trasmontano padrão (no entender dos especialistas, a postura conspirativa e a postura enregelada são semelhantes). E talvez o país não esteja tão agitado como atrás se disse. Talvez a pandemia, a crise e o casamento homossexual não deixem espaço mental aos portugueses para se preocuparem também com uma possível expansão para o nosso do país dos tentáculos venenosos do polvo terrorista. Além disso, deixando os cefalópodes sossegados, mesmo que as FP-25 tenham pendurado os detonadores, a verdade é que o terrorismo sempre existiu entre nós sem que lhe dediquemos grande atenção. Entre as inúmeras organizações terroristas nacionais cuja existência será ignorada pela maioria dos portugueses, destacam-se as seguintes:

Brigada Revolucionária Anti-Terrorista

Origem: Fundação em 2001, como reacção aos atentados de 11 de Setembro.

Ideais: Lutar contra o terrorismo internacional, servindo-se das mesmas armas.

Actividades: Atentados cirúrgicos contra interesses de várias organizações terroristas. Em 2004, a BRAT fez explodir um arsenal da ETA no País Basco francês, destruindo também um lar de idosos, um parque de merendas e uma escola de música para cegos. A reivindicação do atentado foi acompanhada por um pedido de desculpas pelos danos colaterais da operação (exceptuando-se a destruição da escola de música,  já que uma alínea obscura do ideário da Brigada considera nociva para a sociedade a utilização de acordeões e pandeiretas por invisuais). No mesmo ano, a BRAT raptou o colunista de um jornal regional que os acusou de incoerência por pretenderem usar o terrorismo para pôr fim ao terrorismo. Depois de um cativeiro de três semanas, o homem foi libertado e os seus captores assassinaram-lhe uma tia idosa e boa doceira num desvario de maldade extrema. Como consequência desta velhacaria desprezível, alguns dos seus membros abandonaram a organização e fundaram a Brigada Revolucionária Anti-Terrorista (Comando Anti-Cisões e Antagonismos Ideológicos). A BRAT e a BRAT (CACAI) tentam agora resolver o seu diferendo através de ferozes partidas de damas.

Frente de Libertação da Beira Litoral (Organismo Autónomo de Futebol)

Origem: Data de 1988 a primeira acção da FLBL (OAF). Nesse ano, durante a época de exames numa faculdade coimbrã, vários estudantes em desespero decidiram adiar um exame para o qual não estavam preparados com uma ameaça de bomba reivindicada por um suposto grupo independentista regional. A faculdade foi evacuada e o exame adiado. No exame seguinte, voltaram a sentir iguais dificuldades (porque é difícil estudar com o cérebro a flutuar numa mistura de cerveja e vinho tinto) e repetiram a façanha. Com o passar dos anos e com a sucessão de ameaças de bomba, acharam por bem constituir-se como grupo efectivo.

Ideais: Academismo tunista de inspiração eferreá.

Actividades: Não se conhecem outras acções além das ameaças de bomba em cada época de exames e da organização clandestina de um torneio de futsal para grupos terroristas. Na edição de 2009, a equipa do Hezbollah derrotou o Sendero Luminoso por 9-4.

Partido Radical Homossexual/Facção Rosa Choque

Origem: Organização sucessora do Grupo de Lavores Lésbico Gay Bissexual e Trangender que, por sua vez, descende da Frente Ornamental Sodomita, fundada durante a Primeira República. Em 1991, os elementos lésbicos, bissexuais e transgender deixaram o PRH, acusando os dirigentes de excesso de mariquisimo e manifestando intenção de abrir uma loja de produtos orgânicos.

Ideais: Homossexualidade militante. Erradicação da homofobia. Manutenção de um guarda-roupa competente e de uma aparência impecável.

Actividades: Difusão do boato acerca da suposta homossexualidade de José Sócrates, difusão do boato acerca da suposta heterossexualidade de Paulo Portas, difusão do rumor sobre o segundo ânus de Aníbal Cavaco Silva até descobrirem ser verdade.

Braço Português da Al-Qaeda

Origem: Com a invasão americana do iraque, um grupo de muçulmanos a residir em Portugal decidiu aproveitar o mediatismo da Al-Qaeda e fundar um braço da organização no nosso território. Depois de vários meses a tentar contactar Osama bin Laden sem sucesso, o grupo decidiu abandonar o terrorismo violento e substituí-lo por um menos trabalhoso terrorismo à base de convívios com os amigos, incluindo petiscos e horas de aprazível conversa. Por vezes, também organizam excursões, mas apenas como último recurso.

Ideais: Fundamentalismo islâmico. Patuscadas de domingo à tarde.

Actividades: A actividade mais visível da Al-Qaeda portuguesa continua a ser o caos concertado no trânsito das grandes cidades, alcançado pelo posicionamento estratégico de veículos mal estacionados em defesa dos direitos dos palestinianos vítimas do sionismo internacional, e também pelas avarias em hora de ponta por especial devoção a Alá e ao Seu Profeta.

Pastelaria FARC

Origem: Inauguração em Março de 2007.

Ideais: Prestar bom serviço à clientela com amplo sortido de bolos de fabrico próprio e serviço sempre esmerado.

Actividades: Fabrico de bolos e preparação de cafés. Apesar da inclusão nas listas internacionais de organizações terroristas, a pastelaria FARC de Lamego não tem qualquer ligação com as FARC (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia). A semelhança nas designações é acidental e, neste caso, FARC significa “Ferraduras Avantajadas Repletas de Creme”, referência ao tamanho generoso dos bolos que são a especialidade da casa e que fazem as delícias dos seus clientes. A maior semelhança com as FARC sul-americanas é a utilização de pó branco em grandes quantidades para financiar as suas operações, podendo, no caso da pastelaria portuguesa, ser apenas açúcar. (Apesar de a alternativa justificar melhor a avidez fanática dos clientes por bolos frescos.)

Aliança Tonyista Marxista-Leninista

Origem: Fundação em 1991, após lançamento de É Verão Portugal, primeiro disco do seu mentor ideológico, o cantor Tony Carreira.

Ideais: Conjugação de marxismo-leninismo tradicional com uma devoção fanática aos ensinamentos de Tony Carreira, a quem chamam “Guia Iluminado e Disponível para Concertos em Todo o País e Comunidades Lusófonas no Estrangeiro”.

Actividades: A ATML luta pelo estabelecimento em Portugal de uma ditadura proletária que reconheça a Tony Carreira o seu papel inevitável de líder supremo dos portugueses. Os operacionais contam com um arsenal de peças de roupa interior arremessáveis de grande calibre (soutiens copa D e superiores e cintas de tamanho familiar), cartolinas pintadas com palavras de ordem como “Tony, és o maior”, “Tony, faz-me meninos” ou “Tony, por ti deixava o meu Armando e vendia os pequenos a uma fábrica de salsichas”. Deslocam-se em autocarros alugados e formam multidões inesperadas à porta de salas de espectáculo. São identificáveis pela leitura fervorosa do seu livro vermelho (em formato de bolso ou com capa dura), que alterna citações de Lenine com aplicações ao contexto revolucionário da letra do inspirador êxito musical “Sonhos de Menino”.

Um comentário

  1. falta um bem activo aqui da minha região, o MLA Movimento de Libertação do Algarve:
    http://www.youtube.com/watch?v=rsnzTNu80QA

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *