A Crise Actual (explicada com uma mosca e dois montinhos de merda)

No céu cinzento sob o astro mudo
Batendo as asas pela noite calada
Vêm em bandos com pés de veludo
Chupar o sangue fresco da manada

Eles comem tudo eles comem tudo
Eles comem tudo e não deixam nada 

José Afonso

(clicar para engrandecer)


7 Comentários

  1. Uma só mosca para tanta caca? Hum…, esta história não cheira nada bem.

  2. Ah grande Zeca!

  3. Gosto !

  4. Gosto bastante destes cocós.
    E aguardo, expectante, o próximo capítulo.
    :)

    • R. Carreira diz:

      “Gosto bastante destes cocós.” Ora aí está uma frase que não se ouve muita vez.

  5. António Nónimo diz:

    ‘Nuff said.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *