Bem-vindo ao mundo, Sudão do Sul (e desculpa a desarrumação)

Ora com licença… upa… Pronto. Quem te tinha ao colo antes? Era a Polónia? Pobre criança. Espero que não te tenha impingido as virtudes da culinária local porque aqueles polacos só comem porcaria. Não sei se isto de ordenar a fila por ordem alfabética foi a melhor ideia. A confusão que te deve ter feito passar dos braços do Mónaco para o colo da Mongólia. E começaste logo com o Afeganistão e a Albânia de rajada. Pobre recém-país. Foi uma sorte não te terem posto um babete explosivo nem te terem vendido um Mercedes roubado com motor de motorizada e travões de cordel. Adiante.

Quem sou eu? Excelente pergunta. Vejo que és um petiz esperto. Eu sou o tio-avô Portugal. Não reconheces estas barbas de Vasco da Gama? E não vês que te seguro só com um braço porque tenho de usar o outro para segurar as calças? É que tive de empenhar o cinturão da Mocidade Portuguesa para… Não interessa. Não te preocupes com isso. São problemas cá meus. De certeza que nunca te afectarão e vais ter uma vida muito feliz e livre de traumas logo que consigas esquecer as décadas de genocídios e pobreza abjecta. Como sabes (e, se não sabias, passas a saber porque ninguém nasce ensinado), sou muito velho. Já cá ando há muitos anos e achei que seria boa ideia dar-te uns conselhos até porque não tenho dinheiro para prendas.

Por onde começar? Ah. Tem cuidado com os vizinhos. Eu só tenho um e deu-me muitas chatices ao longo dos anos. Estava sempre a tentar roubar-me uns metros ao quintal para montar uma piscina daquelas insufláveis e foi uma chatice até nos entendermos. No teu caso, tens o outro Sudão aí por cima (chamemos-lhe Sudão-de-Cima para facilitar) e bem os vejo a assobiar para o lado. Desconfio que preparam alguma. Da Etiópia não tenho grandes queixas, mas, mesmo assim, cautela. A Eritreia que o diga. O resto é só más companhias. Tanto o Uganda como o Quénia e o Congo e, sobretudo, a República Centro-Africana. Um país com um nome destes não pode merecer confiança. Além disso, não me agrada que não falem com ninguém e passem o tempo trancados em casa a fazer cozinhados malcheirosos. A vizinhança pode não ser famosa, mas não deixes que isso te deprima. Há sempre a possibilidade de subires na vida e de te mudares para sítio melhor. Dizem que a Escandinávia é uma zona muito boa. Trata de pôr o petróleo a render e tenta ser poupado. Não gastes tudo em auto-estradas e estádios como certos países que para aí andam.

Vais chegar a uma altura na tua vida em que vais começar a prestar atenção às mulheres. Também aí precisas de ter cuidado. Há coisas a esse respeito que te posso ir dizendo para te ires habituando. Não vejas isto como mexerico, mas como pedagogia. A Alemanha nunca vai gostar de ti. Só te vai usar enquanto lhe fores útil e deita-te fora para retomar a sua relação lésbica de amor-ódio com a França. A Rússia é uma bêbeda, a Grécia só quer o teu cartão de crédito e a Indonésia vai com todos. Também não punha as mãos no fogo pela Tanzânia. Mas nem tudo é mau, claro. Dizem que a Argentina é muito boa rapariga e tem umas pampas encantadoras.

Pronto. Basicamente é isto. Se seguires estes conselhos, evitares as guerras civis e não te deixares governar por senhores com barbas e bigodes estranhos e fetiche por fardas ou túnicas, verás que vai tudo correr bem. Já me esquecia. Só mais uma coisa. Se algum dia te convidarem para entrar num grupo divertido de países interessados em organizar excursões, abolir fronteiras e adoptar uma moeda comum… foge. Foge muito depressa e não olhes para trás. Quando fores maior explico-te porquê.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *