Os clássicos: contribuições para um cânone renovado da literatura portuguesa

Texto elaborado com a valiosa colaboração de MF Barradas, professora de Coisas Importantes na Universidade dos Arrabaldes e autora do livro “Acho que o Rimbaud era Rabeta – Tópicos Intelectuais em Conversas de Taberna”. Contribuição de J Silva, doutorado em Tocar Concertina pelo Conservatório de Mogadíscio.

A Ilustre Vivenda de Ramires

de João Carlos Eça de Queirós

Gonçalo Ramires é o último descendente de uma linhagem de engenheiros electrotécnicos, habitando sozinho a faustosa vivenda dos seus antepassados na zona mais bucólica de Odivelas. Cansado do ócio permitido pela fortuna herdada do pai (único totalista do Euromilhões), começa a projectar uma candidatura de arromba à Junta de Freguesia local. Mas afasta-se do objectivo quando uma inspiração repentina o motiva a escrever um guião para os Morangos com Açúcar inspirado por uma quadrinha brejeira de Santo António da autoria de um tio falecido.

O Crime do Padre Frederico

de João Carlos Eça de Queirós

Frederico é enviado para a ilha da Madeira para secretariar o idoso bispo D. Teodoro. Não tarda a integrar-se nos pacatos serões de boa comida, melhor bebida e rapazinhos nus promovidos pelo círculo de amigos do seu superior. É numa dessas noites que conhece Luís Miguel, jovem virginal encantador que, aos poucos, vai despertando em Frederico sentimentos que o fazem questionar a sua vocação e que acabarão por conduzir a um destino trágico.

A Drogadinha dos Centros Comerciais

de Júlio Moniz

Henrique de Souselas é segurança em dois centros comerciais contíguos. É durante uma patrulha rotineira que conhece Madalena, uma encantadora toxicodependente por quem se apaixona, vencido pelo seu carácter forte, inteligência e pelo bonito padrão formado pelas marcas de agulha nos braços alvos como marfim. Mas o amor não é correspondido. Madalena é também alvo dos afectos de Augusto, modesto medidor de pés numa sapataria de marca branca, e gera-se um triângulo amoroso de grande tensão, apenas resolvido quando Henrique se apaixona por Cristina, prima de Madalena, a que nem as doses diárias de metadona roubam predicados.

Eurico, o Precário

de Bruno Filipe Herculano

Eurico despede-se do seu emprego mal remunerado numa repartição pública por culpa do amor impossível por Hermengarda, irmã do seu superior hierárquico. Mas a situação não está fácil no mercado de trabalho, com empresas a fechar e fábricas a transferirem a produção para os ostrogodos, e Eurico torna-se místico, compondo louvores poéticos a Cristo enquanto, pela calada da noite, se veste de negro e persegue vendedores marroquinos de carpetes numa cruzada santa em defesa da tapeçaria nacional.

Serões da TVI

de Júlio Moniz

Compilação de narrativas curtas passadas em redor de uma televisão. “Apreensões de Uma Mãe” narra a história de uma mulher em prantos pela recusa da filha em assistir à telenovela, preferindo entregar-se ao vício da leitura (nefasto para os olhos). “Os Novelos da Tia Fátima” descreve pormenorizadamente a paixão de Fátima Lopes pelo tricô e “Uma Flor de Entre o Gelo” é um louvor literário e apaixonado aos encantos múltiplos de Manuel Luís Goucha.

O Tio Basílio

de João Carlos Eça de Queirós

Quando o seu marido se vê forçado a partir numas longas férias após falência ruinosa do banco de que era administrador, Luísa passa dias enfadonhos, esquivando-se a cobradores, jornalistas e investigadores de fraude. A chegada à Quinta da Marinha de Basílio, seu namorado de juventude, vindo do paraíso fiscal onde fixou residência durante anos para acumular dividendos ilícitos, desencadeia um tórrido crescendo amoroso. Mas a infidelidade da patroa é descoberta por Juliana, a governanta, que decide vingar-se dos salários em atraso e força cedência da casa em Quarteira para seu livre usufruto.

Viagens no Meu Hipermercado

por Vanda Sónia de Almeida Garré

Obra notável composta por duas partes distintas entrelaçadas com mestria. Por um lado, o relato quase jornalístico de uma viagem da secção de higiene pessoal de um grande hipermercado até à banca de fruta e hortaliça, com descrição mordaz da variedade de cereais de pequeno-almoço e de cremes para barrar e reflexão crítica sobre a dificuldade crescente de encontrar batatas fritas sem sabor e iogurtes sem bactérias milagrosas. Por outro, a novela romântica que narra os amores de Carlos, um repositor de lacticínios, e Joaninha, uma inocente cortadora de fiambres.

O Mistério do IC19

de João Carlos Eça de Queirós e Flávio Ortigão

Inicialmente publicado como folhetim no jornal Dica da Semana, relata as peripécias de um choque em cadeia no sentido Ranholas-Buraca, provocando um morto que já se encontrava cadáver quando as autoridades chegaram ao local do sinistro.

Os Fidalgos da Casa dos Segredos

de Júlio Moniz

Marco entra na casa para reconquistar Susana, a stripper, que pretende ganhar o prémio final para poder implantar um zepelim em cada mama. Mas tem de escolher entre os promontórios plásticos da sua antiga paixão e os avanços atabalhoados de Cátia, a doce mongolóide estrábica que lhe faz festas por baixo da mesa. Entretanto, Carlos e Miguel começam a trocar olhares curiosos no chuveiro.

Parvoíces de Uma Gaja Loura

de João Carlos Eça de Queirós

Depois de grandes provações, Macário consegue finalmente casar com Luísa, a loura mulher com que sonhou durante tantos e tão penosos anos. Mas o sonho cedo se torna pesadelo quando descobre que a mulher que julgava perfeita possui um enorme defeito: não consegue impedir-se de usar em proveito próprio o que não lhe pertence. A decisão que espera o marido é severa. Continuará rendido aos ditames do amor ou tentará forçar Luísa a renunciar à presidência da Câmara de Felgueiras e a entregar-se às autoridades?

Uma Família Cigana

de Júlio Moniz

Carlos, primogénito do clã Ramirez e herdeiro de um próspero império de venda de roupa interior com ligeiros defeitos, perde-se de amores por Cecília, filha de um sócio de seu pai que negoceia em coisas que fazem rir. Tudo acontece durante o casamento de uma prima de doze anos e Jenny, irmã de Carlos, contacta Cecília da prisão onde cumpre pena por buzinar à porta de um hospital e homicídio para lhe dizer que o irmão é um mulherengo e que dificilmente a respeitará. Depois de uma visita de Carlos, envolvendo troca de palavras sinceras e um ou outro golpe de navalha, Jenny percebe que o amor é verdadeiro e tudo faz para unir os dois apaixonados. Até se descobrir que Cecília não era virgem e acabarem todos aos tiros.

Os Aníbais (Episódios da Vida Algarvia)

de João Carlos Eça de Queirós

A casa que os Aníbais vieram habitar em Boliqueime, no Outono de 1957, era conhecida na vizinhança e em todo o Sotavento algarvio como “aquela porcaria revestida a azulejo de casa de banho”. É aí que chega Carlos Aníbal para residir com seu avô, o sisudo Afonso Aníbal, nunca recuperado do suicídio de seu único filho, Pedro, pai de Carlos. Entregue à boémia e adiando as intenções de se dedicar com seriedade ao consultório de Economia que abriu no Rossio, o jovem Carlos conhece a bela Maria, por quem se apaixona e com quem partilha o leito, sem saber que se trata de sua irmã perdida. Os filhos que resultam desta união nascem com algumas deficiências.

As Estagiárias do Senhor Doutor

por Júlio Moniz

Daniel e Pedro, filhos de José das Dornas, um próspero construtor civil, envolvem-se numa teia intrincada de amores cruzados com Margarida e Clara, duas órfãs criadas pelo Senhor Doutor (carinhosa e académica designação do solicitador da aldeia) e promovidas a suas estagiárias sem remuneração. Mas a falta de pagamento não significa que as pequenas não sejam muito estimadas pelo tutor, que gosta muito delas. Mesmo muito. Demasiado, dirão vozes mais maldosas…

A Cidade e o Farmville

por João Carlos Eça de Queirós

Depois de perder todas as suas consideráveis economias investidas numa instituição financeira entretanto falida, Jacinto vê-se forçado a abandonar o estilo de vida cosmopolita e retira-se contrafeito para a casa ancestral da família, numa remota aldeia do Portugal profundo. Odeia tudo. O ar demasiado limpo, a chinfrineira interminável dos pássaros, os insectos omnipresentes, a escassez de alcatrão. Até que descobre que pode aceder à internet e se refugia num bucólico mundo virtual, onde descobre as delícias do cultivo de melancias e nabiças e da criação de vacas que dão leite achocolatado. A partir desse momento, o mundo exterior deixa de importar.

Amor de Corrupção

de Carlos Miguel Castelo Branco

Simão Botelho e Teresa de Albuquerque apaixonam-se contra vontade das famílias rivais a que pertencem. O pai de Teresa tenta casá-la com um primo para a fazer esquecer Simão, mas não consegue e decide encerrá-la num convento. Mas Simão não se deixa demover por tão pouco e muda-se para casa de um ferreiro amigo da família, onde poderá comunicar com a sua amada por carta. Movido pela crise e pelo arrastar de asa da sua filha ao hóspede, o ferreiro esquece a amizade e vende a verdade dos factos ao patriarca Albuquerque, que acaba por oferecer um envelope bem recheado ao carteiro, incumbindo-o de fazer desaparecer as cartas inflamadas. E viveram felizes para sempre!

Um comentário

  1. Dona Mariazinha do Brasil diz:

    Rs…rs…rs…melhor impossivel

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *