Governo garante que mundo não acaba em 2012 mas o país talvez acabe

Portugal juntou-se aos Estados Unidos e à Rússia no desmentido oficial do fim do mundo no último mês de 2012. Tal como as autoridades de Washington e Moscovo, o executivo português decidiu tranquilizar os cidadãos acerca da possibilidade de um armagedão, garantindo que, entre os motivos de preocupação que os portugueses poderão escolher para ocuparem o tempo deixado livre pela impossibilidade de comprar prendas de Natal por manifesta falta de liquidez, não se encontrará uma catástrofe que aniquile a vida na Terra.

No entanto, a mesma garantia não é dada quanto a uma catástrofe limitada exclusivamente ao nosso país. Quem o disse foi o ministro das Finanças, Vítor Gaspar, que aceitou fazer um comunicado fora das suas competências habituais por estar já habituado a transmitir boas notícias. “Os portugueses podem celebrar o período festivo em tranquilidade e continuar a pagar impostos e a apertar o cinto de forma ordeira e produtiva porque de certeza absoluta que o mundo continuará a existir em 2013”, afirmou. “Existe uma possibilidade remota de a mesma garantia não se aplicar a Portugal, mas, se assim for, não há melhor forma de dizer adeus à existência do que com o cinto bem apertado, os impostos em dia e um sorriso de dever cumprido.”

Ao que a inÉpcia apurou, o ministro referir-se-á não à excessivamente citada e muito duvidosa profecia apocalíptica maia, mas à profecia de um senhor de Abrantes que faz biscates de mecânica e que terá dito: “Por este andar, cheira-me que o país não chega ao ano que vem. E amanhã deve chover.” Normalmente, a previsão não seria motivo para alarmismos, mas verificou-se que, no dia seguinte, choveu mesmo e isso deu que pensar.

Seja como for, quer o país sobreviva ou se esboroe em partículas de portugalidade, Vítor Gaspar garante que o governo se encontra preparado para enfrentar qualquer das situações e voltou a frisar que Portugal não é a Grécia, salientando as diferenças claras entre os dois países: “Eles têm milhares de ilhas e nós só temos umas vinte, contando com aquelas tão pequenas e remotas que nunca lá ninguém mandou o ministro Miguel Relvas estudar.”

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *