Moderno Dicionário de Machetês-Português

Muitos dirão que Rui Machete é um mau ministro. Outros, quase tantos, dirão que é um sujeito pérfido, movido por intuitos sinistros, envolvido de certeza em negociatas obscuras e jogos de bastidores e provavelmente também em sacrifícios humanos a Belzebu e em orgias com animais da quinta. Enfim, um tipo tão simpático e recomendável como a lâmina tosca que lhe serve de apelido.

Tudo mentira.

A verdade é que Rui Machete é uma pessoa fantástica, um profundíssimo poço de qualidades, amigo do seu amigo, gentil para os animais, delicado para as plantas, educado com os minerais e capaz de manter com os fungos uma relação cordial na base do bom dia/boa tarde.

O seu problema são os mal-entendidos. Como o próprio Jesus Cristo, que nem sempre conseguia explicar bem o que lhe ia na alma, Rui Machete vive com a maldição de interpretarem tantas vezes da pior forma o seu modo de expressão sui generis.

Nunca ninguém precisou mais de um dicionário dedicado.

Vai daí, pimba.

»»»»»»

Machetês/Português

Não.

Sim.

Sim.

Talvez.

Isso denota uma certa podridão dos hábitos políticos.

Há um cheiro estranho aqui. Alguém pisou alguma coisa ou sou eu?

Peço desculpas diplomáticas ao estado angolano.

‘Tá tudo controlado, Zé Eduardo. Obrigado pela sanita de platina com diamantes. Tornou muito mais refinado o meu defecar.

Se a taxa estivesse acima dos 4,5%, não é possível. Não sendo possível, teríamos de encontrar vias alternativas, que normalmente se designam como um novo resgate.

Foi só uma hipótese. Agora deixem-me passar que tenho de ir ali amanhar um  panda-gigante para o almoço.

Nunca tive ações do BPN.

Nunca tive ações da SLN.

Nunca tive ações da SLN.

Nunca fumei crack.

Nunca fumei crack.

Fumei só um bocadinho numa festa de acionistas do BPN.

Sou um ministro capaz.

Desculpem lá.

Sou uma pessoa honesta.

Não sou, não.

Tenho um carisma e uma simpatia natural que me iluminam de dentro para fora.

Sofro muito com gases.

Sob minha administração, a Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento gastava 46% do seu orçamento nos meus gabinetes luxuosos, numa frota de BMW  e em pessoal supérfluo.

LOL.

LOL.

Já partilhei um duche com Mário Soares.

Tem horas que me diga?

Gostava de partilhar um duche com Cavaco Silva.

Defenderei os interesses de Portugal acima de tudo.

Os meus amigos costumam chamar-me Portugal. Quando digo “amigos”, refiro-me a pessoas a quem pago para se distribuírem pelas várias divisões da minha casa como mobiliário humano.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *