Passos Coelho propõe novo lema para Portugal: “Estamos mal mas pelo menos não temos ébola”

article-2603049-1CBE6F5C00000578-828_634x422

O primeiro-ministro propôs ao país a adoção de um lema para substituir o atual lema informal (“Estamos todos na merda menos os do costume”), que considera não transmitir confiança suficiente no futuro ou a satisfação pelos resultados positivos dos sacrifícios da austeridade. O novo lema seria “Estamos mal, mas, pelo menos, não temos ébola” e a autoria pertence ao próprio Passos Coelho.

“Estava em casa a ver um noticiário e ouvi falar do surto de ébola que alastra pela Guiné,” afirmou o líder do executivo a uma plateia de doentes acamados forçados a participar numa palestra sobre equilíbrio orçamental. “Foi então que pensei: Caramba! E queixamo-nos nós em Portugal de termos perdido uma parte do salário ou da reforma. Queixamo-nos de não ter emprego e de sermos forçados a emigrar. Estamos muito mal habituados, meus amigos.”

À saída, depois de responder ao que julgou serem perguntas da assistência e que, afinal, eram apenas gemidos de dor, Passos Coelho voltou a abordar o assunto diante dos jornalistas que o aguardavam: “Apelo aos portugueses para que comecem a pensar assim: Posso estar há oito horas na fila neste centro de emprego, mas, pelo menos, não estou a sangrar dos olhos, não tenho esperança de vida de quarenta e oito minutos e não corro o risco de condenar a uma morte dolorosa toda a gente que conheço.”

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *