Uma Europa inteira de Marinho e Pintos

marinho-eleito

Havia sondagens que o sugeriam, mas ninguém acreditava realmente que Marinho e Pinto, antigo bastonário da Ordem dos Advogados e pessoa que aprecia gritar em programas de televisão, pudesse ser eleito eurodeputado e converter-se em individualidade política relevante a quem já se augura futuro promissor.

Acreditasse-se ou não, a verdade é que foi mesmo eleito. E não aconteceu apenas em Portugal. No epicentro do terramoto que varreu a política europeia esteve a eleição em cada um dos restantes vinte e sete estados-membros do seu Marinho e Pinto próprio.

Muitos poderão perguntar-se neste momento: “Mas existe mesmo um Marinho e Pinto em cada país ou isso é só uma alegoria?” Resposta: Sim, existe. Pergunta: “Mas é apenas uma figura comparável e não um Marinho e Pinto efetivo, não é assim?” Resposta: Não. Existem vinte e sete Marinho e Pintos alternativos pelo continente fora. Todos têm as suas particularidades, sem deixarem de ser Marinho e Pintos. É um conceito complexo apenas compreensível na sua totalidade por quem dominar as minúcias da teoria da relatividade.

Não se trata apenas de um homem e sim da manifestação física de um tipo de indignação generalizada e constante, que explode em berros de dedo erguido contra o lobby gay, contra jornalistas que não fazem bem o seu trabalho, contra políticos incapazes e desonestos ou contra humanos que não apanham os cocós dos seus cães.

Sempre existiram Marinho e Pintos. Quando os nossos antepassados remotos desceram das árvores pela primeira vez, um deles ergueu o seu indicador peludo e questionou se “andar na vertical era realmente a melhor escolha”. Foi o primeiro Marinho e Pinto. Uma espécie de Adão primordial da indignação generalizada contra tudo e coisa nenhuma.

A Europa que sai destas eleições é uma Europa de Marinho e Pintos. Devemos temê-los? Possivelmente. Será melhor que nos habituemos à sua presença? Talvez seja. Devíamos ter ido votar em vez de passar o domingo no centro comercial? Cada qual sabe de si. Agora, resta esperar pelos capítulos seguintes.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *