Luís Filipe Vieira vende-se por metade da cláusula de rescisão

luis_filipe_vieira_

A direção do Benfica acaba de comunicar à CMVM a venda dos direitos desportivos do presidente do clube a um fundo financeiro por sete milhões e meio de euros, metade do valor definido como cláusula de rescisão (15 milhões e uma sandes mista), naquela que é a mais cara transferência de um dirigente desportivo alguma vez registada em Portugal.

No momento da despedida, Vieira agradeceu aos adeptos e prometeu levar no coração o clube onde chegou em 2003, proveniente do Alverca. “Não estou a caminhar para novo e gostava de ter uma experiência internacional enquanto ainda posso,” refere.

O fundo que contratou o antigo presidente encarnado tem a sua sede instalada num cargueiro em viagem constante entre as Ilhas Caimão e o Senegal e procurará agora encontrar uma agremiação para valorizar o novo ativo. Os sete milhões e meio serão divididos em três parcelas, uma para o Benfica, outra para o guarda-redes espanhol Roberto (por motivos não explicados) e a terceira colocada num envelope de papel pardo e deixada algures nas imediações do Centro Comercial Colombo, escondida debaixo de uma pedra.

As transferências de dirigentes poderão não ficar por aqui neste defeso, sabendo-se que o presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, está muito próximo de se transferir para a direção do Clube de Golfe Urbano de São João do Estoril. Já a venda de Pinto da Costa ao “Ninho Doce”, uma casa de acolhimento para adolescentes brasileiras problemáticas, poderá não se concretizar, tendo a instituição admitido negociações com Reinaldo Teles, um dirigente menos experiente mas mais jovem e com melhor jogo de cintura.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *