Governo quer acabar com cheiro a urina em locais públicos taxando venda de líquidos

manneken

O governo prepara-se para aplicar uma taxa extraordinária à venda de líquidos depois de encomendar estudos que comprovaram a existência de uma relação direta entre a ingestão dos mesmos e a vontade de urinar, procurando assim acabar com a prática de urinar no espaço público que há séculos vem atormentando os narizes do transeunte nacional. A medida foi anunciada pelo secretário de Estado da Cultura e dos Odores Nefastos, Jorge Barreto Xavier, que se apresentou em conferência de imprensa com os habituais óculos de carnaval (usados como alusão metafórica à indiferença do homem contemporâneo perante a intelectualidade institucional).

“Ao preço de venda de uma lata de refrigerante, garrafa de água ou cerveja, por exemplo, será acrescida uma taxa de cinco cêntimos por centilitro,” afirmou Barreto Xavier, acrescentando num aparte: “Pessoalmente, só consumo doutos néctares ingeridos das mãos em concha de musas primordiais, mas sei que os portugueses comuns apreciam líquidos mais convencionais.” Respondendo a quem vê nesta medida um imposto injusto, o governante explicou que a taxa será suportada pelos distribuidores e não pelos consumidores, podendo os primeiros decidir transferir a despesa adicional para os segundos, mas sempre por sua exclusiva vontade e sem que o governo possa ser culpado por isso.

Os fundos assim recolhidos serão posteriormente usados para financiar associações cujo objetivo é substituir todos os odores desagradáveis do mundo que nos rodeia por perfumes aprazíveis como, por exemplo, a Sociedade Portuguesa de Combate ao Fedor (SPCF), instituição fundada em 1907 e que, desde então, tem vindo a eliminar progressivamente fedores variados, sendo já responsável pela abolição do cheiro a sovaco nos transportes públicos e pelo fim do cheiro a peixe podre nas traseiras de mercados.

No entanto, a medida está longe de ser consensual e são várias as vozes a alegar que o governo trata todos os consumidores de líquidos como potenciais urinadores públicos e que o pagamento da taxa autorizará os prevaricadores a reincidir na prática. Essas pessoas serão prontamente conduzidas a um local escuro e aí trancadas até perceberem a natureza errónea do seu raciocínio.

6 Comentários

  1. Absolutamente brilhante. Eu estou a espera de uma taxa por consumo de oxigenio tambem pois esta cientificamente comprovado que a escumalha que nos governa tambem o respira e como tal ha decadas que se reproduz.

  2. Sofia Almeida diz:

    Quem foi o génio que associou a ingestão de líquidos à necessidade de urinar?? brilhante!! uuuaaaauuuu
    Mais uma desculpa para os burros que trabalham e estão no “sistema” pagarem mais alguma coisa!
    A opção de aulas de civismo nas escolas (já tão urgentes e necessárias) não seria uma melhor opção?? Ahhh não, isso custa dinheiro! E temos que pagar os roubos dos amigos milionários. Claro, taxar as bebidas é melhor! Mais uma desculpa tão nobre pra sacar mais uns cobres. É por causa disso que os idiotas sem educação vão parar de urinar em locais públicos!!! Claro, como é que ninguém pensou nisso! Só dá génios!! Continuem a votar nestes inergumes!! A dar-lhes salários e poder para entrar em esquemas econômicos e roubar legalmente!

  3. Muito bom… Mesmo do outro lado do mundo deu para sorrir com um assunto sério.
    Grande sentido de humor…

  4. Pingback: Governo quer acabar com cheiro a urina em locais públicos taxando venda de líquidos | Cadernos de Opinião

  5. liberdade diz:

    porque não taxar o coco?

  6. Tão bom, tão bom, tão bom :)

    Não há como o português, para encontrar um humor mordaz, no meio da tragédia. Não é para todos, mas para alguns escolhidos :)

    Brilhante, sobretudo o “habituais óculos de carnaval (usados como alusão metafórica à indiferença do homem contemporâneo perante a intelectualidade institucional).” Excelente :)

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *