Tragédia do Meco lembrada com monumento em margarina junto ao mar

margarina-1

Depois de João Cutileiro ter oferecido uma réplica do seu pénis de mármore comemorativo do 25 de Abril para homenagear as vítimas do Meco, oferta essa que foi prontamente recusada, os pais enlutados pretendem agora instalar em pleno areal um memorial construído em margarina que recorde para sempre a perda trágica dos alunos da Universidade Lusófona.

“Consideramos que a margarina é o material mais nobre para este monumento porque é dourada como os sonhos interrompidos destes jovens, versátil como o seu espírito de praxe e escorregadia como o seu mérito académico”, explicou um dos pais. “Esperamos que, daqui a muitos séculos, as pessoas que visitarem a praia possam ver o monumento ali, exposto ao sol e à rebentação das ondas, e se sintam inspiradas por ele.”

Além da vontade de erigir o monumento, os pais dos praxistas falecidos continuam a esperar que se faça justiça, para que fique provado de uma vez por todas que os seus filhos não morreram apenas pela estupidez simples e acidental de fazerem piqueniques embriagados noturnos junto ao mar tempestuoso e sim pela estupidez empenhada de aceitarem participar conscientemente num ritual imbecil e arbitrário digno de gente que usa a massa encefálica apenas como esponja de vinho tinto.

2 Comentários

  1. ideia de um peido diz:

    Primeira vez que nao me ri com um artigo deste site, mas isso é provavelmente culpa minha e certamente problema meu.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *