“Querido, mudei o Estado Islâmico” já tem apresentador

Depois de defender no Facebook que os jornalistas do Charlie Hebdo foram de alguma forma responsáveis pelo atentado que os vitimou por praticarem “o desrespeito gratuito e egoico pelas mais altas crenças dos outros”, o lifecoach Gustavo Santos anunciou ter descoberto uma veia islâmica, pretendendo rumar em breve à Síria para se juntar às fileiras do Estado Islâmico.

“Comecei a ler uma versão ilustrada do Corão para crianças e, antes de desistir a meio (porque já tinha folheado três páginas de cartão lavável e estava cansado), percebi que era aquela a verdade que sempre procurei para a minha vida”, explicou, à saída do curso de alfabetização para “analfabetos que querem parecer eruditos” onde aprende palavras como “egoico”.

Gustavo Santos iniciou a carreira como brinquedo sexual inanimado até adquirir consciência por volta de 2003. Não querendo ser um mero dildo, manteve até à sua islamização uma colaboração longa com o programa “Querido, Mudei a Casa”, usando a cabeça para martelar pregos em superfícies particularmente resistentes. Publicou ainda vários livros escritos por um número infinito de chimpanzés batendo com os dedos num número infinito de teclados.

8 Comentários

  1. o Gustavo já desmentiu que tenha descoberido a veia islâmica!!!

  2. Boas

    Concordo com o Gustavo,cada com a sua crença.
    Ignorançia e o que existe mais neste mundo.
    Nao Julguem , sem conhecerem.

    Rui Correia outro IGNORANTE e RACISTA

  3. O artigo que acabo de ler é caso para perguntar “Afinal onde é que fica a tão afamada liberdade de expressão do Gustavo!?”

    É preciso escrever estas coisas quando não concordam com a opinião do Gustavo!? Tanta agressividade !!

  4. Concordo com o Gustavo… As pessoas falam do que não sabem… Fazer piada, humor, sátira, etc etc etc com as crenças alheias das quais não se é entendido leva a que haja chatices! Falam em liberdade de expressão, mas esquecem-se que a nossa liberdade termina onde começa a liberdade do outro… Fazer humor com as crenças dos outros é como provocar, faltar ao respeito… É por essa falta de respeito que o mundo está como está e não é apenas por este caso em França…

    • Ne pas je suis charlie, je suis la liberté diz:

      Se forem piadas racistas (tanto com brancos como com pretos) já é aceite? Ou com gays? Gordos?
      Acho que o mundo está como está porque as pessoas são mesquinhas e qualquer coisinha é logo ofensivo. Eu todos os dias ouço piadas e muitas dessas brincadeiras vão contra a minha forma de pensar mas eu aceito, na maioria dos casos até acabo por rir porque mesmo não sendo aquilo em que acredito o humor está lá e há uma grande diferença entre fazer humor e não respeitar…
      Mas o que eu acho mais ridículo é que a hipocrisia reina quando vocês defende que os estados democráticos devam-se conter sobre certos assuntos mas que por causa de uma crença divina milhares e milhares de pessoas são mortas injustamente e as que não são assassinadas vivem como tal porque quando a liberdade é tirada já não existe muito mais…
      Também é bom relembrar que neste momento estamos a expor a nossa opinião porque houve muitos Homens, nos quais muitos cartoonistas estão incluídos, que lutaram por isso.

  5. liberdade de expressão é liberdade de expressão doa a quem doer… não existe para respeitar crenças, mas para exprimir ideias. se as tuas crenças são tão fracas que não suportam crítica e sátira, muda de crenças!

  6. Boas~
    Concordo com o que o Gustavo publicou sobre a sua opinião sobre o sucedido em França, porque pelo facto de não se conhecer os ideais dessa gente é que ocorreram estas mortes sucederam.
    O MoniMor também tem razão quando diz que quando não se sabe do que se fala, o melhor é estarem calados, porque assim ganham anos de vida!
    Abraços

  7. Então já temos um cronista para o Charlie Hebdo? Tenho lido tantas cronicas no ultimo dia de quem não percebem e nem sabe só que estão a escrever!

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *