Debate Passos Coelho vs. Costa: todos os pormenores picantes que os portugueses não viram

mw-860

19:31 – António Costa chega ao Museu da Eletricidade montado num elefante. Os seus conselheiros de imagem advertem que será uma escolha demasiado étnica e recomendam moderação. Costa acata, mesmo sem perceber. O elefante fora-lhe emprestado por José Lello.

19:34 – Passos Coelho chega ao Museu da Eletricidade montado em Miguel Relvas. Os seus conselheiros de imagam aplaudem. Relvas apanha um táxi para o estúdio de um canal de televisão onde comentará o debate com isenção.

19:42 – Mário Soares chega ao Museu da Eletricidade. Quando percebe que António Costa não é José Sócrates, apanha um táxi para a residência-prisão do antigo primeiro-ministro, mas não sem antes apelidar todas as criaturas vivas que o rodeiam (incluindo um par de gaivotas e algumas moitas ornamentais) de “velhacos e bandidos”.

19:50 – Enquanto Passos Coelho é maquilhado, os seguranças são alertados para um volume estranho num bolso do casaco. Revistando-o, encontram Paulo Portas. O líder do segundo partido da coligação é escoltado até à saída e o debatente é repreendido pela artimanha.

19:52 – Sabendo do sucedido, António Costa decide entregar voluntariamente Santos Silva (o político e não o amigo mãos largas de José Sócrates), que também trazia escondido num bolso. Pede desculpa a todos os portugueses em seu nome pessoal e em nome da sua mãe e dos seus filhos.

19:58 – Judite de Sousa toma o comprimido das 19:58. Lê um SMS que diz: “amut bueh *** ex a mulher da mnh vidah bjs marcelao”.

20:03 – António Costa acorda de uma muito breve sesta de preparação para o debate a meio de um pesadelo horrível. Ouvem-no gritar: “Não, Tozé! Não colhas a flor que me deu tanto trabalho a cultivar!”

20:12 – Dezoito horas depois, Clara de Sousa termina de escolher a sua indumentária de anfitriã principal do debate. Decide escolher cores que combinem com o negro da depressão profunda de Judite de Sousa e com o rosado do céu da boca de João Adelino Faria. Os créditos de “mulher mais sexy de Portugal  2008” voltam a não ficar por mãos alheias.

20:18 – Com o debate prestes a começar, a organização percebe a tempo que João Adelino Faria é Paulo Portas disfarçado. O vice-primeiro-ministro é levado e o verdadeiro João Adelino Faria é trazido da arrecadação onde ficou distraído a olhar para um berlinde.

20:19 – Costa admite que um dos operadores de câmara é Ferro Rodrigues disfarçado e aproveita para pedir desculpa em seu nome, em nome da sua mãe e em nome dos seus filhos, todos cidadãos com futuro incerto, sem saberem se receberão pensão de reforma ou se serão obrigados a emigrar. O disfarce de Ferro Rodrigues, com uma peruca loura comprada nos chineses e uma t-shirt dizendo “VOTA CDS PARA A ASSEMBLEIA CONSTITUINTE”, não enganou ninguém. Ninguém o denunciou apenas por graça.

20:24 – Judite de Sousa toma o comprimido das 20:23. O minuto de atraso fá-la arrancar o nariz de um técnico de som à unhada.

20:37 – António Costa refere a mãe e os filhos pela oitava vez. Atrás das câmaras, um dos seus conselheiros de imagem ergue uma cartolina com os dizeres “CHEGA, ANTÓNIO! AS PESSOAS LÁ EM CASA JÁ PERCEBERAM QUE ÉS HUMANO!”

20:38 – Passos Coelho inveja os conselheiros de imagem de Costa. A ele, ninguém recomendou que tentasse parecer humano.

20:47 – João Adelino Faria consegue finalmente pintar de verde o Shrek a preto e branco que lhe deram à entrada. A caneta de feltro quase não saiu do risco.

21:06 – Num invulgar momento de elevação, os dois candidatos esquecem a trica política e o apontar de dedos e mantêm uma discussão pertinente sobre as melhores formas de ultrapassar os problemas do país e assegurar que Portugal não voltará a cair na bancarrota. Infelizmente, o momento coincidiu com a pausa publicitária e ninguém assistiu.

21:08 – Marinho e Pinto irrompe pelo Museu da Eletricidade ao comando de um bando de lesados do BES. Grita e esbraceja até lhe prometerem participação num programa da tarde seguinte para comentar um caso de abuso sexual de menores. Os lesados do BES sentem-se traídos e vão tocar os seus bombos e cornetas peculiares para a rua.

21:10 – Judite de Sousa toma o comprimido das 21:10. Como precaução, decide antecipar o comprimido das 21:32.

21:15 – António Costa sente-se atingido por um projétil de saliva e papel enquanto explicava para as câmaras como pretende tornar a segurança social sustentável. Quando olha para Passos Coelho, vê-o fingindo-se ocupado com outro assunto.

21:16 – Passos Coelho sente-se atingido por um projétil de saliva e papel enquanto garantia às câmaras que não pretende fazer cortes nas pensões. Quando olha para António Costa, vê-o fingindo-se ocupado com outro assunto.

21:19 – Paulo Portas é visto a sair do Museu da Eletricidade com um grande sorriso. Guarda num bolso do casaco o cilindro de plástico vazio de uma esferográfica BIC sem carga.

Um comentário

  1. Gostei. Muito criativo.

Comentar

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *