Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Durão convicto de que portugueses vão gostar das mudanças na administração pública

O primeiro-ministro manifestou-se convicto de que as mudanças na administração pública, que serão implementadas em breve no âmbito de uma reforma radical, vão ser do agrado dos cidadãos. Durão Barroso fez estas declarações na cerimónia de encerramento do 28º Congresso Ibérico de Coleccionadores de Palmilhas que este ano se realizou na Guarda.

“É necessário proceder a uma reestruturação urgente da administração pública de forma a tornar menos penoso o contacto entre os cidadãos e o Estado,” afirmou o cherne que todos nos habituámos a seguir com carinho e devoção.
O plano de reforma da administração pública foi encomendado a uma empresa holandesa da especialidade, a “Erotic Pleasures Inc,” uma entidade que tem “a total confiança do governo para transformar a máquina do Estado em algo com que os cidadãos tenham gosto em lidar,” de acordo com as palavras do chefe do executivo.

O director-executivo da “Erotic Pleasures”, o português Simão D’Orey, tem uma larga experiência em reformas deste género. Em 1993, foi contratado pelo governo da Bulgária para limpar as casas de banho da estação central de Sófia. Para muitos, poderá parecer que esta tarefa tem pouco a ver com a reforma da administração pública portuguesa mas as semelhanças são mais do que se poderia pensar.

“Tanto numa coisa como na outra, é necessário um esforço para que a porcaria deixe de estar visível à vista desarmada e é preciso esfregar muito para disfarçar o cheiro a urina,” explica Simão D’Orey.

A Inépcia teve acesso ao plano de trabalho entregue pela “Erotic Pleasures” ao governo com a discriminação dos passos a tomar para tornar a administração pública mais aprazível. O elemento fulcral é a substituição dos funcionários públicos por manequins profissionais e bailarinos exóticos de ambos os sexos que deverão obrigatoriamente apresentar-se ao trabalho em roupa interior e com os seios descobertos, no caso das funcionárias femininas e de um ou outro funcionário mais original.

Esta medida implicará que os utentes dos vários serviços passarão a ser reencaminhados para secções distintas de acordo com o seu sexo. Assim, nas repartições de finanças, serviços municipais, arquivos de identificação e serviços similares, os cidadãos passarão a ser atendidos por homens e mulheres de aspecto vistoso e em trajes escassos que desempenharão as tarefas do seu dia-a-dia sentados no seu colo.

Uma das principais vantagens desta reforma da administração pública passa pela garantia de que nenhum dos funcionários actuais será demitido. Em vez disso, a “Erotic Pleasures” promete dar-lhes emprego como técnicos de entretenimento erótico e garante carreiras de sucesso visto que, na opinião de Simão D’Orey, “há cada vez mais gente que tem fantasias com pessoas mal encaradas que tratam os outros abaixo de cão.”
O primeiro-ministro já terá experimentado o novo modelo de atendimento ao público e terá dito que “renovar o bilhete de identidade com uma ucraniana seminua no colo é uma experiência formidável mas não contem à minha mulher nem à ministra das Finanças, está bem?”

Recuar