Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Santana Lopes apalpa presidente da Finlândia

A embaixada finlandesa em Lisboa apresentou um protesto formal ao governo português, exigindo um pedido de desculpas do primeiro-ministro que acusam de ter apalpado a presidente da Finlândia, Tarja Halonen, aquando da presença de vários governantes na 59ª assembleia-geral da ONU em Nova Iorque.

O incidente terá ocorrido numa escadaria do edifício das Nações Unidas quando, de acordo com a delegação finlandesa, Santana Lopes subia atrás de Halonen e simulou tropeçar, colocando a mão em cheio na nádega direita da presidente.
De seguida, desculpou-se de maneira efusiva mas que não convenceu nenhum dos presidentes e afastou-se rapidamente culpando o pessoal das limpezas contratado pela ONU e os detergentes escorregadios usados por estes.

A Inépcia tentou contactar o gabinete do primeiro-ministro para obter um comentário mas sem resultados visto que foi inaugurado um bar novo em Vilamoura e as assessoras de Santana Lopes deslocaram-se até lá em representação oficial do estado português e só estarão de volta na próxima semana ou na seguinte (dependendo de o tempo estar bom para a praia ou não).

No entanto, fonte próxima do chefe do executivo (e se existe tarefa fácil neste país é achar uma fonte próxima de Pedro Santana Lopes) considera que a presidente finlandesa não corresponde em nada ao tipo de mulher que lhe agrada, pois é demasiado roliça para isso. Quem estiver interessado em saber mais sobre os gostos do primeiro-ministro em termos de mulheres, poderá consultar a autobiografia “A Causa Pública e o Grelo-Duas Paixões” a editar em breve.

Henrique Chaves, ministro adjunto do primeiro-ministro, aproveitou a oportunidade para fazer a sua primeira declaração pública, afirmando que, mesmo que Santana Lopes tenha realmente apalpado Tarja Halonen, isso viria no seguimento do seu apelo recente para que o país pusesse “mãos à obra” na aproximação com os nossos parceiros europeus do norte do continente.

Recuar