Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Carlos Cruz ilibado por carta de quatro páginas

O apresentador de televisão Carlos Cruz foi ilibado de todas as acusações de abuso sexual de menores que sobre ele recaíam e liberto da prisão após ter escrito uma carta aberta de quatro páginas em que garante estar inocente.

A polícia judiciária declara-se convencida da inocência do apresentador após leitura da missiva e já apresentou as suas desculpas ao próprio e aos familiares pelo incómodo causado. O procurador-geral da república, Souto de Moura, considera que “a inocência de Carlos Cruz torna-se óbvia com esta carta. Afinal, se não estivesse inocente, não se ia dar ao trabalho de escrever uma carta com quatro páginas, ainda por cima, dactilografadas.” Na opinião de Souto de Moura, os depoimentos de supostas vítimas de abuso sexual são “delírios de jovens ansiosos por conhecer uma celebridade como Carlos Cruz a qualquer custo. Eu próprio, na minha infância, forjei uma vez uma fotografia em que aparecia nu sentado no colo do actor John Wayne só para ver se o conseguia conhecer pessoalmente, algo que nunca aconteceu.”

Também Catalina Pestana, actual provedora da Casa Pia, instituição frequentada pelos jovens alegadamente molestados por uma suposta rede pedófila de que faria parte Carlos Cruz, manifesta a sua confiança na inocência do antigo apresentador do “1,2,3.” “A carta muda tudo,” afirma, “Se ele diz que está inocente é porque deve estar. Lá no fundo, eu sempre soube que assim era. Afinal, o senhor Carlos Cruz sempre deu prémios às pessoas e até ajudava os concorrentes do 1,2,3 a levar o automóvel para casa, não ia agora fazer uma coisa destas às crianças. Não cabe na cabeça de ninguém. É um absurdo!” Em relação às acusações de Cruz, segundo as quais, Catalina Pestana teria conhecimento prévio da existência de práticas pedófilas na Casa Pia, a provedora admite que “se calhar até sabia e nunca me tinha apercebido disso. Se ele o diz, é porque deve ser verdade.” Catalina Pestana vai mais longe e admite ser uma admiradora incondicional do apresentador há muito tempo. “Até já lhe escrevi a pedir uma fotografia autografada para emoldurar e pôr na secretária,” confessa.

No entanto, para todos os que consideram que uma simples carta não é suficiente para ilibar alguém de crimes graves, a polícia judiciária emitiu uma nota em que dava conta de que Carlos Cruz só foi posto em liberdade depois de terem sido ouvidas três testemunhas idóneas e imparciais que atestaram a sua boa conduta e moral irrepreensível. A identidade destas testemunhas não foi divulgada para proteger a sua privacidade mas a Inépcia sabe que têm como primeiro nome Raquel, Marta e Marluce.

Uma personalidade que esteve convencida, desde a primeira hora, da inocência de Carlos Cruz é o também apresentador e amigo de longa data, Fialho Gouveia, que considera que “finalmente é feita justiça” e acrescentou que “é inacreditável que em pleno século XXI e num país que faz parte da União Europeia, alguém seja preso e acusado de abuso sexual só por causa de testemunhos, fotografias, conversas telefónicas e exames médicos e sem uma única prova convincente que seja. Ainda por cima, o Carlos foi tratado como se se tratasse de um reles anónimo. Isto não se pode repetir.”


Recuar