Inépcia: s.f. (do latim "ineptia) 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Membros indecisos do conselho de segurança propõem moeda ao ar

Os membros não permanentes do conselho de segurança da ONU que ainda não clarificaram a sua posição quanto a uma intervenção militar com o objectivo de desarmar o Iraque e depor Saddam Hussein propuseram que a decisão de facultar o apoio das Nações Unidas à operação seja decidida por lançamento de uma moeda ao ar de modo a acabar de uma vez por todas com as dúvidas.

Os países em questão sobre os quais recai a responsabilidade de decidir se os iraquianos terão direito a viver em liberdade e democracia livres do jugo tirânico de Saddam são o Chile, o México e uma selecção de democracias de sucesso como o Paquistão, a Guiné, os Camarões e Angola.

Para além destes países, fazem ainda parte do conselho de segurança das Nações Unidas, entre membros permanentes e os que são eleitos por rotatividade, outros paladinos da democracia e dos direitos humanos como a República Popular da China e a Síria.

Poderá parecer irresponsabilidade sugerir que uma decisão de tamanha importância para a estabilidade mundial seja tomada através de um método tão arbitrário como o lançamento de uma moeda ao ar mas existe uma explicação perfeitamente racional. Todos os países acima citados padecem de um déficit de atenção mediática e têm sido votados ao longo dos anos a um severo esquecimento por parte do resto do mundo que nunca lhes liga nenhuma. A única excepção a esta situação será o México que, de qualquer maneira, não fica sem razões de queixa já que, quando um país com uma área de dois milhões de quilómetros quadrados e com uma população de mais de cem milhões de pessoas, é identificado em todo o mundo com homenzinhos a dormir a sesta tapados por chapéus gigantescos, com comida picante e com ratos velocistas dos desenhos animados, é óbvio que isso provocará algum descontentamento.

Numa altura em que estes países estão no centro das atenções do mundo, é compreensível que os respectivos governos não se sintam à vontade para fazer alguma coisa que acabe com essa situação possivelmente para sempre. Com o lançamento de uma moeda ao ar, a decisão seria tomada ao acaso e nenhuma responsabilidade poderia ser atribuída aos responsáveis políticos.

A comunidade internacional já reagiu à proposta de forma favorável argumentando-se que qualquer coisa é preferível ao impasse que se tem vivido nos últimos meses. Tony Blair, primeiro-ministro britânico e um dos principais entusiastas da guerra, ou da intervenção militar preventiva como prefere chamar-lhe, chamou a atenção para o valor metafórico da decisão por moeda ao ar. "A cara simboliza a frontalidade com que nós queremos encarar o problema das armas de destruição maciça enquanto que a coroa representa a atitude temerosa de todos aqueles que preferem virar as costas e fingir que não vêem que armas com capacidade para matar muita gente de uma vez só devem estar nas mãos de pessoas que falem inglês," afirmou com o seu costumeiro meio sorriso.

Entretanto, o vice-primeiro-ministro iraquiano, Tareq Aziz, manifestou a disposição do Iraque em colaborar com a ONU em todas as iniciativas, mesmo nesta, e sugeriu ao secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, que se utilize a moeda de um dinar iraquiano que tem a particularidade de ser igual dos dois lados, o que promete animar ainda mais o momento da decisão.


Recuar