Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Freitas do Amaral escreve filme pornográfico

Diogo Freitas do Amaral, fundador do CDS e figura relevante da esfera política nacional nos anos que se seguiram ao 25 de Abril de 1974, anunciou estar a trabalhar no guião de um filme pornográfico baseado na revolta de Maria da Fonte. “É um novo desafio. Nunca fiz nada deste género e já há muito tempo que tinha vontade de experimentar até porque sinto que a pornografia é uma área muito estimulante a nível intelectual,” considerou.

Recorde-se que não se trata da primeira incursão de Freitas do Amaral pelo mundo da escrita de ficção visto que já foi autor da peça “O Magnífico Reitor” e da biografia de D. Afonso Henriques, obra que não sendo de ficção, não deixa de ser enfadonha e mal escrita como o raio. Estes esforços provam, mais uma vez, que Portugal tem as celebridades mais multifacetadas do mundo uma vez que, não se contentando em não ter talento numa única área, se esforçam por mostrar igual talento em áreas diversas. Vejam-se os casos de Francisco Moita Flores (polícia e argumentista), Diogo Morgado (actor e dramaturgo), José Luís Borga (padre e cantor), Maria Elisa (política e apresentadora de programas televisivos de “informação”), Neno (futebolista e cantor) ou mesmo Carlos Cruz (apresentador de televisão e pedófilo).

Freitas do Amaral revelou ainda que a sua estreia no mundo da pornografia cinematográfica está para breve já que o guião está muito próximo da conclusão. O filme tem como pano de fundo a revolta da Maria da Fonte, movimento de insurreição popular contra o governo de Costa Cabral por este ter proibido os enterros dentro das igrejas em 1846, e a vida sexual dos principais protagonistas. “Maria da Fonte, apesar das suas qualidades de líder da revolta também teria certamente uma vida sexual activa e podemos imaginar que tivesse tido um envolvimento lúbrico com o ministro Costa Cabral. Não deixa de ser curioso imaginar como uma mulher rude do campo se relacionaria na horizontal com um aristocrata,” afirma o autor. A obra ainda não tem um título definitivo mas a designação provisória é “Maria da Ponta,” por sugestão do realizador, o conceituado Sá Leão que já se manifestou “ansioso por colaborar com uma pessoa tão importante como é o doutor Mário Soares,” enquanto tentava enfiar uma estrela de plástico dentro de um orifício circular numa caixa grande e colorida. Freitas do Amaral afirma ter grande simpatia por Sá Leão e ser um apreciador do seu trabalho, acrescentando que não é a primeira vez que trabalha em colaboração estreita com um Sá, numa alusão ao primeiro-ministro Sá Carneiro com quem Freitas fundou a Aliança Democrática (AD).

Depois de ter cancelado uma peça de sua autoria por esta fazer referências à traição de um ministro da Defesa ao seu primeiro-ministro, por deferência para com Paulo Portas, Freitas do Amaral está confiante de que “Maria da Ponta” não terá problemas semelhantes. “A única personagem que poderia provocar alguma celeuma seria Maria José Nogueira Pinto, a fressureira de Ponte de Lima mas a minha cara amiga do mesmo nome já me assegurou que não tem nada contra e até gostaria de interpretar ela mesma o papel,” afirma.

Recuar