Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.

O homem, o mito, as meias.

O autor expõe a sua interioridade.

O Livro Sagrado

O fascinante mundo da religião.



powered by FreeFind

Use este link para mandar uma palavrinha ao autor. Resposta quase sempre garantida.

BUUU! Que susto, hã?

Bip

Rússia garante que componentes electrónicos fabricados na Qimonda não serão usados para fins sinistros

A salvação da Qimonda poderá vir da Rússia com amor*, existindo negociações entre a empresa alemã e o governo de Moscovo para um investimento avultado. Se a preocupação com a sobrevivência da empresa parece próxima do atenuamento, receia-se agora que os russos usem a electrónica que sair da empresa para fins menos claros. Desde a ascensão ao poder de Vladimir Putin, o governo russo parece determinado em reconquistar o estatuto de superpotência do país, abundando relatos de adversários políticos eliminados de formas originais, envolvendo, por exemplo, tartes de creme radioactivas que matam não pela radioactividade mas porque escondem no seu interior tubarões microscópicos que nadam pela corrente sanguínea e comem a vítima por dentro (a radioactividade é apenas para disfarçar). No entanto, tal como existem especialistas conceituados a garantir que o ex-presidente e actual primeiro-ministro não é o monstro que alguns insinuam, ignorando-se a particularidade irrelevante de a sua imagem não ser reflectida por espelhos, o interesse russo na Qimonda não preocupa grandemente os governantes envolvidos no processo. Stanislaw Tillich, ministro-presidente da Saxónia, estado alemão onde se situa a sede da empresa, mostrou-se confiante ao divulgar uma conversa tida com Putin, falando com um inesperado sotaque russo e elevando a voz para abafar os latidos desconfiados do cocker spaniel que criou desde cachorro. Também em Portugal, o ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, começou por exigir a Moscovo um compromisso com a legalidade mas, depois de picado por um moscardo que voava com zumbido eléctrico e se desintegrou logo após a picada, manifestou o seu gáudio pelo empenho da gloriosa pátria russa em salvar os postos de trabalho dos funcionários da Qimonda de Vila do Conde. O principal alvo das suspeitas, Vladimir Putin, considera que não há motivo para drama. Falando aos jornalistas no seu gabinete, (com o presidente Medvedev sentado na carpete a comer aperitivos de queijo) o primeiro-ministro russo garantiu que os componentes saídos da Qimonda serão usados unicamente para fins legítimos. Em relação a Portugal, disse esperar ser informado da posição oficial do nosso governo logo que José Sócrates envie email confidencial sobre o assunto a um dos seus ministros. Em seguida, desapareceu numa nuvem de enxofre.

* Magnífico trocadilho com o título de um filme da saga James Bond. Quem não achar magnífico, fede deveras. 24/4

Perfil

Spread, o perdigueiro: Um cão presidencial é algo de fundamental

Antes de ser o segundo residente canino do Palácio de Belém (diz-se que o Presidente Costa Gomes uivava à lua cheia e só bebia o seu conhaque caríssimo de uma tigela), Spread, o perdigueiro presidencial, foi um cachorro com infância feliz numa ninhada de cinco crias nascida a um novato na canicultura. O seu primeiro dono foi Lopes Alberto (inversão de nome e apelido a cargo de um funcionário do Registo Civil adepto do sistema eslavo de nomenclaturas), que começou por criar frigoríficos e trocou o seu Ariston premiado por um casal de podengos. Dos cinco cachorros da ninhada inaugural, apenas um nasceu perdigueiro. Tal facto teria intrigado outro criador, mas não Lopes. Sabia que a natureza era pródiga em bizarrias ou não tivesse assistido ao parto de uma torradeira nascida do cruzamento de um videogravador com uma máquina de fazer pão. Foi a peculiaridade de Spread a despertar a atenção de Cavaco Silva quando visitou a quinta de Xabregas onde os cães residiam para escolher a sua mascote, inspirado pela escolha de um cão-de-água português por Barack Obama. E depois de lhe ser explicado que não poderia escolher um cão-de-água americano para retribuir a cortesia por não existir tal raça. Também o actual Chefe de Estado nasceu diferente dos demais, com glândulas salivares adicionais no céu-da-boca, e o inesperado perdigueiro filho de podengos caiu-lhe no goto. Decidiu chamar-lhe Spread, conceito económico que tentou explicar aos que o acompanhavam, embarcando num discurso que ia em 47 minutos quando foi sedado pelos seus guarda-costas para evitar o pior. A ambientação ao palácio foi rápida depois do choque dos primeiros dias, agravado pela insistência da primeira-dama em vestir o animal com um traje de minhota feito à medida. Aprendeu entretanto os primeiros truques (o cão, não a primeira-dama) e rosna sempre que o Presidente recebe membros do governo ou delegações partidárias, com excepção de visita recente de Manuela Ferreira Leite, durante a qual Spread se apaixonou pela perna esquerda da líder social-democrata e teve de ser levado à força para não consumar o seu amor em plena Sala das Bicas. 17/4

Espaço, a última fronteira

Portugal associa-se ao programa espacial norte-coreano

Cumprindo mais uma etapa do plano tecnológico do governo, Portugal participará no programa espacial da Coreia do Norte, país que anunciou recentemente ter colocado um satélite em órbita apesar da opinião contrária da comunidade internacional. A união foi formalizada em Lisboa com presença do professor Kim Dae-Chuk, figura cimeira da ciência norte-coreana, e de Augusto Santos Silva, ministro dos Assuntos Parlamentares. As declarações do professor Kim foram traduzidas para os jornalistas pelo próprio Santos Silva, que explicou ter aprendido coreano num curso de comunicação política, realizado em Pyongyang no final da década de setenta. O enviado norte-coreano manifestou satisfação pela associação com Portugal e anunciou um plano conjunto de realização da primeira viagem ao planeta Saturno, depois de cosmonautas da Coreia do Norte terem já caminhado sobre as superfícies da Lua, de Marte, de Júpiter e da Terra Média. Confrontado com o facto de Júpiter possuir superfície gasosa, o que dificultaria a caminhada, o conceituado astrónomo respondeu que isso poderia ser verdade para pés capitalistas, mas não para os sapatos mágicos desenvolvidos pelos cientistas-feiticeiros do seu país. Em seguida, recusando mais questões, iniciou a projecção de gráficos ilustrativos elaborados em papel vegetal, pois as folhas de acetato existentes na sua pátria foram convertidas em gelatina para combater a fome. Questionado sobre o carácter imaginário que a comunidade internacional atribui ao programa espacial norte-coreano, o ministro português negou, garantindo que é tão real como a aposta do seu governo nas energias renováveis ou o impacto educativo do Magalhães. Será precisamente o Magalhães a ter papel de relevo na parceria entre os dois países, tornando-se o pequeno computador a base do sistema informático norte-coreano, substituindo um complexo sistema de calculadoras de bolso ligadas em rede. O primeiro lançamento foi agendado para o início de 2010, com contagem decrescente sem o número 6 devido a um lamentável erro no software. 10/4

Sexytime

Revista erótica RealPolitik promete pôr políticos a nu

A versão portuguesa da Playboy, publicação com a chancela da Associação Internacional de Fabricantes de Silicone e Lipoaspiradores, ainda está quente nas bancas e já se anuncia novo título erótico. Trata-se da RealPolitik, ilustrada com nus artísticos de políticos nacionais e criada pela editora da afamada revista Gina (que chegou a ser subsidiada por vários governos para colmatar a inexistência de aulas de educação sexual). A honra de capa da primeira edição coube a João Cravinho e o histórico do PS mostra-se convicto da validade do trabalho. “Pensei que seria uma excelente forma de contribuir para a frontalidade política e os fotógrafos foram muito profissionais," afirmou. Mesmo estando nu em pêlo, não são imagens ordinárias. As pelancas tapam o essencial.” Hélder Nunes, o editor, conta que a ideia lhe ocorreu quando via o Telejornal e lhe passou pela cabeça uma imagem de Manuela Ferreira Leite nua. Depois de vomitar o jantar, pensou melhor e percebeu o potencial. “Houve alguma apreensão inicial quando começámos a sondar a classe política,” recorda. “Depois, explicámos que a exposição total a que nos referíamos dizia respeito apenas à nudez e ficaram mais tranquilos.” Além da especialização dos manequins, será essa a principal diferença entre a Gina e a RealPolitik. Enquanto a primeira era assumidamente pornográfica, a segunda será de um erotismo subtil e ficará desiludido quem esperar fotografias de políticos em pleno acto, aceitando envelopes de empresários ou beneficiando empresas onde pretendem trabalhar depois de abandonados os cargos respectivos. Não foram anunciados os políticos que abrilhantarão as próximas edições, mas a Inépcia sabe que poderá haver alguma verdade nos rumores acerca de uma sessão fotográfica envolvendo Marques Mendes, António Vitorino, um tapete felpudo e duas toucas de bebé. 3/4

Visto pela última vez...

APAF dará novas identidades a árbitros que cometam erros graves

O árbitro da polémica final da Taça da Liga, na qual marcou um penalty imaginário a favor do Benfica (evitando a derrota da equipa encarnada e tornando a competição interessante como poucos julgariam possível) será o primeiro a usufruir de um serviço de atribuição de novas identidades a árbitros ameaçados pela fúria dos adeptos, permitindo passagem a uma tranquila clandestinidade. Recorde-se que Lucílio Baptista não se livrou de ameaças de morte e teve a vida muito dificultada, mesmo tendo reconhecido publicamente o erro e pedido desculpas ao Sporting, como era exigido por dirigentes, técnico e jogadores da equipa lesada. Esta exigência de um pedido de desculpas foi de tal forma veemente que acabou sendo ecoada pela imprensa internacional, ainda que sem a devida contextualização, o que motivou o governo alemão a endereçar um pedido de desculpas pelo holocausto nazi ao Estádio de Alvalade. Além de atribuir novas identidades, o novo serviço da Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol fornece auxílio precioso na necessária alteração da aparência, com dicas de cultivo de barbas e bigodes e, para aqueles cuja inclinação genética seja menos hirsuta, com subsídio ao transplante de pêlos púbicos para a face. O cliente inaugural do serviço afirma ser pouco provável que regresse ao futebol com nome falso porque, segundo diz, “não precisa da arbitragem para nada”. O lugar de Lucílio Baptista entre os árbitros de primeira categoria, bem como as suas insígnias de árbitro internacional, serão entregues ao recém-chegado Lucídio Batista, senhor de uma farfalhuda bigodaça. 26/3

Bamboleeeeeooooo

Alunos ciganos têm aulas numa carrinha

A utilização de um contentor como “sala de aula” exclusiva para crianças ciganas numa escola do concelho de Barcelos não é caso único. Ao que a Inépcia apurou, uma turma de vinte alunos ciganos de Guimarães tem aulas numa carrinha Ford Transit estacionada nas traseiras da escola. Para Margarida Moreira, directora regional de Educação do Norte, trata-se de mais um caso de discriminação positiva e não há motivo para alarido. “Estas crianças passam já grande parte das suas vidas em carrinhas, a caminho das feiras onde os pais negoceiam e, como tal, estarão no seu ambiente,” explica, acrescentando que o comentário não é racista “porque é verdade”. Além disso, para a responsável máxima da DREN, a história ensina que enfiar minorias étnicas em contentores e carrinhas não é reprovável. Em vagões de comboio é que sim. Margarida Moreira aproveitou a oportunidade para esclarecer algumas das declarações polémicas feitas recentemente à comunicação social. Assim, explica que quando se referiu à utilização do contentor em Barqueiros como “um projecto bem-sucedido de inclusão”, não se referia à inclusão das crianças no sistema escolar (falhada), mas sim à sua inclusão dentro do contentor (um completo sucesso). Quanto à referência a “discriminação positiva”, lembra que o contentor facilmente será transportado para outras localizações por intermédio de uma grua e de um camião, revolucionando o conceito de visita de estudo. Margarida Moreira foi notícia aquando da suspensão de um professor por contar uma anedota sobre o primeiro-ministro, mas garante que, de então para cá, adquiriu sentido de humor e, para o provar, partilhou uma anedota lida em circular do ministro da Presidência: Quantos Sócrates são precisos para mudar uma lâmpada? Nenhum. A lâmpada não está fundida. A oposição e os jornalistas podem dizer que sim, mas estão a criticar por criticar e a alimentar campanhas negras. 20/3

Pelos cabelos

Paulo Bento acusa Miguel Veloso de mau-olhado

Pela segunda vez na sua história, o Sporting vê-se envolvido em assuntos sobrenaturais. Quase sessenta anos depois de o mítico Travassos ser mordido por um lobisomem adepto do Atlético, o treinador sportinguista aproveitou a primeira conferência de imprensa depois da humilhante derrota frente ao Bayern de Munique para acusar Miguel Veloso de ter lançado mau-olhado sobre a equipa. “Vocês sabem que eu costumo parar aqui num feiticeiro perto do centro de estágios e fui informado pelo meu grande amigo Mestre Bassorá de que o Miguel recorreu à magia negra para se vingar de uma alegada perseguição. Ora há certas e determinadas situações com as quais eu não pactuo, meus amigos,” afirmou Paulo Bento. Questionado sobre a situação, o presidente Filipe Soares Franco pediu ajuda para identificar qual das suas empresas era o Sporting e, depois de lhe ser explicado tratar-se do clube de futebol, afirmou: “Ah. O clube. Claro. Tenho uma grande paixão pelo futebol e pelo Sporting e até vibro bastante sempre que marcam pontos e vencem os desafios. Com mau-olhado ou não, é conquistando os cinco pontos em cada partida que se ganha o grande prémio nacional.” O visado pelas acusações nega qualquer envolvimento com feitiçaria e, irrompendo em lágrimas, refere mais uma etapa da perseguição que lhe começou a ser movida quando o Benfica o expulsou das camadas jovens por ser gordo. “Ninguém gosta de mim”, choramingou, mantendo a cabeça direita para equilibrar a réplica à escala da Estátua da Liberdade esculpida no seu cabelo. Poderá ser precisamente o cabelo o motivo dos desentendimentos com Paulo Bento, já que jogador e treinador se encontram em extremos opostos do espectro capilar. A Inépcia questionou o técnico dos leões a este respeito, mas a pergunta perdeu-se no abismo do seu risco ao meio. 13/3

Tripas no asfalto

Repórter da TVI 24 alheio a relevância jornalística de acidente de viação

Um repórter ao serviço do novo canal noticioso TVI 24 foi suspenso das suas funções depois de mostrar em directo não conseguir compreender a relevância jornalística do acidente de viação para cuja cobertura fora destacado. O acidente em questão ocorreu numa curva traiçoeira da periferia de Aveiro quando um condutor levemente alcoolizado perdeu o controlo do veículo e atropelou mortalmente um peão. Quem assistia à emissão da TVI 24 (ou “do TVI 24”; o género do canal permanece por esclarecer) depressa constatou que o jovem repórter parecia algo inseguro no seu discurso, como se não estivesse realmente certo quanto ao que fazia. A insegurança tornou-se patente quando se recusou a aceder ao pedido do pivot em estúdio para testar com os dedos a consistência de uma mancha vermelha no asfalto a fim de averiguar se seria sangue ou massa encefálica, deixando cair o microfone e afastando-se do local. Segundo explicação de João Maia Abreu, director do canal, o repórter era um jovem formado no Reino Unido e com estágio na BBC, podendo este afastamento da realidade portuguesa explicar os seus critérios jornalísticos distorcidos. A suspensão que lhe foi aplicada será mantida até reavaliação das suas competências ou até se dispor a facultar gratificação oral diária aos seus superiores hierárquicos durante um mês. Para evitar novos erros de avaliação deste tipo, a TVI 24 prepara um código de conduta para os seus profissionais, explicando que um repórter que veja Manuel Alegre sair da sede do Bloco de Esquerda de mão dada com Osama bin Laden e trazendo uma ogiva nuclear debaixo do braço apenas deverá tentar obter declarações se não existirem nas imediações cadáveres em adiantado estado de decomposição ou criancinhas atacadas por cães ferozes. 6/3

Mais vale grelo que parecê-lo

PSP de Braga apreende batata com forma obscena

Numa manhã soalheira de Fevereiro, os habitantes de uma pacata zona residencial bracarense foram surpreendidos pela chegada de um carro-patrulha da PSP, de onde saíram quatro agentes fortemente armados, correndo para uma mercearia local e voltando a partir, com a sirene ligada. O motivo da urgência era transportado nas mãos de um dos agentes, envolto num pano de cor escura: uma batata. Mas não uma batata qualquer. O tubérculo criminoso foi extraído do solo em que nasceu com forma semelhante à de um elemento anatómico pouco dado à exposição pública. O comando local da polícia justificou a acção com inúmeras queixas apresentadas pelos clientes da mercearia, incluindo pais forçados a explicar aos filhos as embaraçosas minúcias dos alimentos com forma brejeira e uma idosa que ficou em estado catatónico depois de recordar algo em que não pensava há muito. O proprietário deslocou-se à esquadra para tentar recuperar a mercadoria, mas foi-lhe dito que a batata se encontrava detida e que aguardava julgamento. A avidez da PSP de Braga no combate à obscenidade foi notícia pela apreensão de livros com um quadro considerado pornográfico na capa, mas, já no mês passado, foi mobilizada uma brigada de intervenção rápida para capturar um indivíduo que se passeava sem calças, medida que muitos consideraram exagerada. “Não se tratou de qualquer exagero”, explicou o comissário Acúrcio, “a nudez do sujeito apresentava dimensões capazes de provocar uma calamidade pública. Ninguém na esquadra tinha uma igual e olhem que até pusemos a subchefe Gouveia a medir os colegas com palmos.” O comissário ofereceu-se para prestar esclarecimentos sobre a necessidade de as ervilhas serem acondicionadas em vagem individual, mas teve de acorrer a um chamado urgente por ter sido avistada uma turista no santuário do Bom Jesus exibindo os dois joelhos sem qualquer pudor. 27/2

Por mares nunca de antes navegados

Blogosfera portuguesa inicia penosa migração para o Twitter

Sopram ventos de mudança na internet nacional. Confrontada com condições de subsistência cada vez mais difíceis e com seca prolongada (não se verifica uma polémica virtual decente há vários anos), a comunidade blogueira empacota os seus haveres e ruma em direcção ao Twitter, nova ferramenta comunicacional da moda, esperando recuperar o vigor de outros tempos. Um dos primeiros a mudar-se foi Francisco José Viegas, cacique intelectual da grande tribo blogueira e detentor da pila mais substancial do 8º Encontro Mundial de Grandes Potências Racionais, realizado recentemente na sua cabeça. “As coisas já não têm aquele sabor de outros tempos”, confessa, com um brilho nostálgico nos olhos. Encontrámo-lo à porta do seu blogue, guardando a lista de hiperligações em caixas de banana “Chiquita” (a banana preferida por três em cada cinco intelectuais) e aí o deixámos, entregue à árdua tarefa e completamente nu, sendo a nudez uma das exigências do culto animista africano a que se converteu recentemente. Mais resistente se tem mostrado outro grande nome blogosférico. Apesar de reconhecer que “hoje em dia, qualquer um pode ter um blogue” e que isso minou a credibilidade do meio, Pacheco Pereira não pretende partir até ser forçado a fazê-lo. Mas tem sido duro. “Um destes dias, fui inundado por uma sequência de comentários insinuando que tenho piolhos na barba,” refere. “Só a necessidade de aprovação prévia dos comentários antes de serem publicados me salvou a dignidade. Além disso, são lêndeas.” Um dos principais obstáculos à colonização da twittosfera é o limite de 140 caracteres por entrada, havendo já quem exija a autorização de mensagens curtas com 80.000 caracteres para permitir a citação de poesia e de capítulos inteiros de obras de Marcel Proust no idioma original. 20/2

Oh the humanity!

Nova imagem de Manuela Ferreira Leite é ainda mais repelente do que a actual

Depois de Marcelo Rebelo de Sousa aludir à necessidade de a presidente do partido alterar a sua imagem, a máquina social-democrata não perdeu tempo e a Inépcia sabe que essa nova imagem estará já definida depois de brainstorming envolvendo três especialistas brasileiros em marketing político fechados numa mala de viagem durante 48 horas seguidas com uma garrafa de rum e duas dúzias de ovos moles. No entanto, há dúvidas quanto à eficácia do novo visual. Que o diga o presidente do grupo parlamentar do PSD, Paulo Rangel, que vislumbrou por acidente uma fotografia de Ferreira Leite com a sua nova imagem na sede do partido. O incidente foi presenciado por Pedro Passos Coelho, candidato derrotado nas últimas eleições internas, que se encontrava no local, prendendo um pacote suspeito à cadeira presidencial com adesivo. “Vi o Paulo entrar, passar pela mesa onde estava a fotografia, olhar por uns segundos e foi o que bastou,” recorda. “Ficou muito pálido, vomitou copiosamente, murmurou qualquer coisa sobre verrugas e pelancas e caiu redondo no chão.” Posteriormente, viria a recuperar do incidente, mas sem qualquer memória do sucedido. Passos Coelho apenas viu a fotografia a uns oito metros de distância, o suficiente para se sentir agoniado, referindo apenas que havia claramente Manuela Ferreira Leite a mais e tecido a menos. Uma figura destacada do partido (que pediu anonimato por se encontrar em processo de reabilitação de imagem depois de implicado num escândalo bancário e cujo nome rima com Pias Coureiro) levantou sérias dúvidas à eficácia da manobra, considerando que uma nova imagem tão horrífica apenas ajudará o partido se o PS substituir José Sócrates pelo cadáver de Almeida Santos, desmentindo que o mesmo esteja vivo e garantindo que esteve presente no funeral há vários anos. 13/2

Perfil

Maria Elisa: "Deixai Vir a Mim as Doençazinhas"

Maria Elisa Domingues nasceu em Junho de 1950 num laboratório subterrâneo no deserto de Mojave, onde um grupo de cientistas a soldo do exército americano passou anos a desenvolver um clone viável a partir de material genético humano (70%) e de ADN de catatua (25%), apenas para passar o tempo. Os trabalhos foram reportados por espiões soviéticos aos seus superiores e uma equipa de brilhantes geneticistas do proletariado encerrou-se numa base remota no Cazaquistão, tentando duplicar a experiência e criar também um híbrido de humano com ave tropical, mas o resultado mais significativo, o malogrado homem-tucano de Alma-Ata, sobreviveu apenas quatro dias até o peso do bico o fazer cair para a frente, fracturando o crânio em três pontos diferentes. Alcançado o sucesso, os americanos não tardaram a perceber que as aplicações de uma mulher-catatua eram inexistentes e livraram-se do embaraço, enviando Maria Elisa para a capital portuguesa. A jovem depressa se ambientou ao seu novo lar e descobriu uma vocação: ser doente profissional, ambição que alimentou com afinco mesmo tendo contra si a sociedade (que hesitava em reconhecer a carreira) e uma saúde de ferro. Contrariada, acabou por aceitar trabalho na RTP, sem desistir do sonho. A primeira responsabilidade que lhe coube foi a apresentação um magazine infantil, cancelado no fim da primeira série, queixando-se os pais dos participantes de que a opção de subordinar cada programa ao debate de uma doença incurável fazia chorar os pequenos. Seguiu-se uma longa passagem pelo jornalismo, durante a qual lhe coube a honra de entrevistar os vírus e bactérias responsáveis pelos principais flagelos da saúde mundial. Nomeada directora de programas da televisão pública, tentou conciliar trabalho e vocação, assumindo-se como sofredora de esmagniploidismo simplofaccionágico e demitindo-se quando a comunidade médica recusou reconhecer a existência de tal maleita. Teve breves passagens pela política e pela diplomacia (renunciou ao cargo de conselheira cultural da embaixada em Londres por lhe ser recusado orçamento para iniciar uma epidemia de cólera) e regressou a Portugal e à televisão para apresentar “Os Grandes Portuguesas e Suas Doenças”, programa de sua autoria que, posteriormente, veria o formato e designação profundamente alterados. Apresenta actualmente uma rubrica sobre desportos náuticos centrada na variedade de doenças que podem ser contraídas dentro de água. 6/2

Do mal o menos

Sócrates tenta reavivar alegações de homossexualidade para substituir alegações de corrupção

O primeiro-ministro começará a sentir os efeitos nefastos do caso Freeport nos seus níveis de popularidade (já severamente minados pela crise económica e pelo descontentamento social) e terá manifestado aos seus colaboradores mais próximos a intenção de substituir no imaginário dos portugueses a figura hipotética do Sócrates Corrupto pela já esquecida, igualmente hipotética e menos gravosa figura do Sócrates Gay. O boato foi lançado durante a campanha eleitoral para as últimas legislativas e depressa caiu em esquecimento por total inexistência de indícios e pela consciência dos portugueses de que a orientação sexual do futuro primeiro-ministro seria irrelevante. É precisamente esse o espírito que Sócrates e a sua equipa pretenderão recuperar agora. Quem o explica é Serapião Douglas, especialista em marketing político e campeão distrital de columbofilia de alta competição: “É muito difícil ou quase impossível que alguém se faça de vítima perante acusações de corrupção, sendo a vitimização um dos elementos em que o primeiro-ministro alicerça grande parte do seu discurso. Há quem consiga, mas nem todos poderão ter o talento nato de uma Fátima Felgueiras ou de um Isaltino Morais. Com as alegações de homossexualidade, pelo que comportam de drama pessoal e de violação de privacidade, passa-se o contrário.” Outro elemento de peso é a aura de honestidade que rodeia a homossexualidade, verificando-se que são inúmeras as figuras públicas heterossexuais envolvidas em casos de corrupção enquanto que as figuras públicas portuguesas de homossexualidade assumida mantêm a sua honestidade impoluta, tanto no caso da cantora Dina como no caso de Manuel Luís Goucha. No seu próximo comunicado ao país sobre o caso Freeport, Sócrates vestirá um kimono de seda pura e mover-se-á ao som de “I Will Survive” de Gloria Gaynor. 30/1

www.seca-tremenda.com

Vídeos de Cavaco no Youtube conseguem número negativo de visualizações

Poucos dias após a inauguração do canal da Presidência da República no Youtube, os responsáveis mostram-se perplexos com um fenómeno inexplicável. Ao terceiro dia, o contador de visualizações começou a andar para trás, encontrando-se presentemente em valores negativos, sem que exista qualquer explicação técnica. “Parece ser um fenómeno sobrenatural”, considera o webmaster, “é quase como se a falta de interesse se materializasse de forma cibernética e começasse a influenciar o contador.” A iniciativa destinava-se a assinalar o compromisso do Presidente com a plena utilização das novas tecnologias de informação, contando com o total apoio de Cavaco Silva. Em declarações à Inépcia, o Chefe de Estado confessou ser um entusiasta do ciberespaço, afirmando visitar frequentemente o Youtube para assistir a vídeos sobre temáticas do seu interesse. Questionado sobre quais seriam essas temáticas, hesitou antes de responder: “Economia. Vejo muitos vídeos sobre economia.” No entanto, nem tudo são más notícias e o canal possui um número fiel de seguidores dedicados, que acederam pela primeira vez no dia da inauguração e prolongaram a sua visita até hoje, considerando os responsáveis que não se poderá dizer que morreram de tédio à frente do computador até haver provas concretas. Alheio aos pormenores técnicos, Cavaco Silva continua empenhado no projecto, depois de ter gravado uma comovente mensagem aos cibernautas na qual surge em mangas de camisa no seu escritório, com uma naturalidade de gestos e palavras que poucos lhe conhecerão. Quanto à possibilidade de gravar conteúdos para sites de partilha de vídeos adultos, levou algum tempo a perceber o que lhe era perguntado, pestanejou muitas vezes e gaguejou “Eu… a minha esposa… eu… “ antes de arrancar a cabeça de um assessor à dentada, mastigando-a com a boca aberta. (Link) 30/1

Change

Cristiano Ronaldo quer ser o Obama português

O astro do Manchester United manifestou vontade de se envolver na política nacional, considerando-se capaz de ser um Barack Obama à portuguesa, gerando uma onda de entusiasmo e esperança próxima da que culminou na eleição do novo presidente americano. Questionado sobre as suas reais capacidades para governar o país, Ronaldo disse apenas: "Se posso ser o melhor jogador do mundo, também posso ser um governante do caraças, não é?", esboçando um grande sorriso e exibindo o revestimento de platina com rubis que mandou instalar recentemente sobre as gengivas. Existirá realmente alguma semelhança entre Obama e o futebolista português? É inegável que ambos tiveram origens humildes, mas, além da diferença óbvia nas opções de carreira, Ronaldo não é negro nem pertence a qualquer minoria étnica, ainda que a sua Madeira natal se situe à latitude de Marrocos, o que quase fará dele africano, com grandes doses de boa-vontade e alguns decilitros de álcool consumidos. Há ainda a questão das suas qualificações para cargos de elevada responsabilidade. Sem grandes sucessos académicos, os méritos do "melhor do mundo" manifestam-se sobretudo no poder de drible e na facilidade de remate, sectores em que terá superioridade inegável sobre opositores eventuais (sabe-se que José Sócrates, por exemplo, joga mais atrás). Avançando para a campanha efectiva, o prodígio madeirense assentaria o seu manifesto eleitoral na renovação dos acessórios de moda dos portugueses, na abolição do limite de velocidade para veículos de alta cilindrada e na necessidade de recrutar uma guarda pessoal composta exclusivamente por jovens mulheres com seios de silicone. Muitos dirão que Ronaldo não seria um governante adequado porque nem sequer consegue falar em condições. O jogador tem resposta estudada para esta crítica: "O pessoal que diz isso não tem legi... letigi... legigi... le-gi-ti-mi-da-de para mandar bocas." Com a inconstância da juventude e o carácter fugaz das ambições extra-futebol dos futebolistas profissionais, é difícil perceber se o projecto é para seguir em frente, mesmo que Ronaldo tenha registado há pouco tempo a marca "CR Primeiro-Ministro". Ao que a Inépcia apurou, foram registadas no mesmo dia as marcas "CR Imperador Galáctico", "CR Miss Vindimas 2015" e " CR Salsicharia Familiar Lda." pelo que isso poderá não significar nada. 23/1

Se Maomé não vai ao disparate, vem o disparate a Maomé

Imã muçulmano aconselha jovens a pensar duas vezes antes de casar com um sacerdote católico

Um religioso muçulmano anónimo recomenda cautela às jovens portuguesas que desejem casar com sacerdotes cristãos porque, alegadamente, “se meterão num monte de sarilhos que nem Jesus Cristo sabe onde acabam”. As declarações foram proferidas imediatamente após declarações semelhantes em que o cardeal patriarca de Lisboa aconselhava idênticas cautelas às jovens que desejem casar com muçulmanos. D. José Policarpo soltou a língua quando participava numa tertúlia realizada no auditório do Casino da Figueira com o título “125 Minutos com Fátima Campos Ferreira” (possivelmente inspirado por “30 Minutos com Fátima Campos Ferreira”, nome pelo qual era conhecido o complexo processo de selecção das estagiárias da RTP durante a década de 80), acrescentando ainda uma referência à cautela necessária com a comida dos muçulmanos, que considerou “excessivamente picante”, baseando-se em casos concretos do seu conhecimento. O imã em questão aproveitou a deixa para fazer um apelo próprio, referindo os casos de jovens portuguesas que contraem matrimónio com padres católicos e, acabada a lua-de-mel, chegam a casa ao fim do dia de trabalho para descobrir os seus maridos enfiados na cama com um pelotão inteiro de escuteiros lobitos. D. José Policarpo reagiu a estas declarações com indignação, considerando-as absurdas e insultuosas, até porque, como é sabido, os sacerdotes católicos não podem casar-se. “Quaisquer afirmações irreflectidas feitas com base em generalizações e preconceitos serão sempre nefastas e servirão apenas para reflectir a ignorância e a imbecilidade dos autores, independentemente das suas responsabilidades religiosas e sociais,” referiu. Em tom mais ligeiro, refira-se que, durante a sua visita ao Casino da Figueira, o cardeal ganhou 12 euros numa slot machine. 15/1

Águia escondida com o rabo de fora

Benfica admite compra de árbitros e promete não voltar a abastecer-se nos saldos

Numa revelação inédita, o Benfica admitiu o que muitos têm insinuado dito desde a polémica vitória contra o Sporting de Braga, em que o árbitro validou um golo irregular aos encarnados e perdoou pelo menos uma grande penalidade a favor dos bracarenses. Em conferência de imprensa, o director de comunicação benfiquista confirmou que o clube pratica há vários anos o suborno a árbitros para conseguir resultados vantajosos, prática que terminará em breve por manifesta ineficácia. Apresentando-se completamente nu e pintado de vermelho, numa primeira aparição da nova indumentária oficial dos funcionários e dirigentes encarnados, João Gabriel explicou que Paulo Baptista recebeu uma arca congeladora (praticamente nova), uma namorada ucraniana (idem) e um saco de plástico com esferográficas BIC para fabricar o triunfo na recepção ao Braga. Este triunfo terá sido a excepção que confirma uma regra de fracassos na prática da corrupção, já que, nos últimos dez anos, o clube da Luz conquistou apenas um campeonato, uma taça e uma supertaça. Luís Filipe Vieira não se manifestou, talvez pelo embaraço das suas inflamadas imprecações contra a corrupção alheia (ou por estar amordaçado por ordem do médico) e Rui Costa admitiu a compra de árbitros, mas não dos árbitros certos, citando o exemplo de Pedro Henriques, árbitro subornado para favorecer o Benfica em jogo contra o Nacional e que acabou por anular um golo limpo a Cardozo, mantendo o empate. Mesquita Machado, autarca bracarense e presidente da assembleia geral da FPF não se mostrou surpreendido, prometendo continuar a trabalhar para que a arbitragem não favoreça os três grandes. “Só assim poderá haver outras equipas a conquistar títulos porque a alternância é um valor essencial em todos os sectores”, afirmou, continuando a preparar a celebração dos 32 anos no mais alto cargo do município. 15/1

8 anos depois

Nos aniversários passados, agradeci por várias vezes aos leitores, aos amigos, aos colaboradores e a toda a gente que, de uma forma ou outra, contribuiu para manter o site no ar durante este tempo todo. Não o farei outra vez este ano. Ao invés, permitam-me que agradeça a todos aqueles que deram contributos ao contrário e que não foram menos úteis como fonte de motivação. Aos "parece-mal", aos "não tem graça", aos "não percebi", aos "tem muito cuidado quando andares sozinho na rua", aos que levaram ideias emprestadas e nunca as devolveram, aos que levaram textos inteiros pelo mesmo caminho, aos "parceiros" incapazes de concretizar "projectos" vazios, ao senhor director, ao senhor doutor e ao senhor professor, aos malucos (incluindo os dois ou três colaboradores e co-autores que nunca o foram), ao jornalista que andou durante anos a dizer que o site lhe pertencia e a usá-lo para ganhar currículo, jurando que o meu nome era um pseudónimo inspirado pelo nome artístico de um cantor pimba. E a ti também, que vens aqui religiosamente e fazes de conta que não. Aquele abraço.

Renato Carreira

Perfil

José Sócrates, um primeiro francamente porreiro

José Sócrates de Carvalho Pinto de Sousa nasceu no Porto, nos últimos dias do Verão de 1957, filho de um esforçado carpinteiro de linhagem aristocrática e de uma santa mulher. Na noite do nascimento, a coberto da treva, os pais carregaram o plácido rebento sobre a albarda de um jerico e assim transpuseram as montanhas de Trás-os-Montes para o registar como filho legítimo de Vilar de Maçada, concelho de Alijó. Puseram-lhe o nome de um filósofo grego, desejando incutir no rapaz o desprezo pelos sofismas e o gosto pela argumentação. E viram satisfeitas as suas ambições. Aos dez anos, o pequeno viajava pelas aldeias vizinhas, debatendo com os aldeãos e fazendo-os perceber o erro das suas convicções. É celebre a ocasião em que convenceu o proprietário de uma junta de bois de que era, na realidade, o afortunado dono de uma parelha de dromedários, apenas porque os ditos bichos não reagiram quando lhes foi mostrado o retrato de um bandarilheiro e salivaram abundantemente perante ilustração das pirâmides de Gizé. Tamanha inclinação para manipular a percepção pública dos factos da forma que mais o favorecesse levou o jovem Sócrates a procurar realização pessoal na política, filiando-se no primeiro partido que lhe abriu as portas, o Socialista, enquanto ia argumentando e contra-argumentando o seu caminho por entre méritos académicos fictícios, conseguindo convencer alguns (poucos) de ser neurocirurgião e outros (muitos) de ser engenheiro civil. Integrado no grupo parlamentar do partido como arma secreta contra a oposição, recorrendo-se aos seus dotes de torpedo argumentativo apenas em ocasiões de extrema necessidade, conseguiu convencer António Guterres de que era o nome mais indicado para a pasta do Ambiente apenas oito minutos depois de o ter conhecido, narrando-lhe uma retorcida historieta sobre o viço da couve e sua relação com a densidade dos solos. Em 2005, nos bastidores de um debate televisivo, argumentou com Santana Lopes que a sua era maior que a dele e a insegurança assim provocada no opositor valeu-lhe a vitória eleitoral e o cadeirão de primeiro-ministro. Nos tempos livres, gosta de praticar desporto, treinar discursos inspiradores e optimistas ao espelho e jogar Tetris no seu Magalhães, dando contributo pessoal ao choque tecnológico. 9/1

Atchim

Ministra da Saúde nega disseminação intencional da gripe para promover Linha Saúde 24

Ana Jorge convocou uma conferência de imprensa para negar as alegações de que o seu ministério tenha provocado a epidemia de gripe como forma de promover a linha telefónica Saúde 24. Numa sala sem ventilação do serviço de doenças infecciosas do Hospital de Santa Maria, a ministra apresentou-se de nariz e olhos vermelhos, com voz rouca e pingo nasal, pedindo aos jornalistas para se aproximarem de forma a tornar o ambiente mais intimista. Sentado a seu lado, o director-geral de Saúde, Francisco George, manteve uma máscara cirúrgica na cara durante toda a conferência, desculpando-se com frieiras no nariz. “Estes rumores provam o nível de absurda desconfiança que reina no nosso país. Os portugueses devem aprender a confiar mais em quem os governa e apenas quer o seu bem”, explicou a ministra. Em seguida, propôs-se distribuir material com informação aprofundada sobre a questão, tossindo sobre cada um dos jornalistas que se aproximavam para receber o dossier, depois de ver rejeitada por unanimidade a proposta de saudação com beijo na boca. A oportunidade serviu ainda para promover uma vez mais as qualidades da Linha Saúde 24 e para assegurar que os telefones são atendidos por profissionais competentes, ainda que nem sempre sejam da área da saúde (há excelentes cabeleireiros, engenheiros paisagistas e operários de construção naval por exemplo), considerando-se perfeitamente terapêutica a mensagem gravada que saúda grande parte dos utentes com repetição da frase “pronto, já passou” em tom compreensivo. 2/1

Quase...

Mário Nogueira tenta ser notícia nos jornais desportivos para alcançar o pleno da comunicação social

O porta-voz da Plataforma Sindical de Professores admitiu esforços para ser noticiado pela imprensa desportiva, único nicho temático em falta para assegurar a omnipresença em toda a comunicação social portuguesa. Para atingir o objectivo, ofereceu-se ao Benfica como reforço para o novo ano, tendo sido rejeitado, não tanto por falta de méritos futebolísticos (defeito que nunca impediu ninguém de integrar o plantel encarnado), mas porque o departamento de comunicação do clube considerou que o seu bigode está duas décadas desfasado da actualidade estilística do desporto-rei. Não se deixando desalentar, Mário Nogueira continua a tentar colocar por outros meios o seu nome e fotografia nas páginas da imprensa especializada e, ao que parece, terá sondado o Atlético de Madrid para aquisição de Simão Sabrosa para a Escola Secundária do Cerco, onde o jogador passaria os dias a fintar adolescentes armados com pistolas de plástico. Respondendo aos que o acusam de sede de protagonismo, a voz do descontentamento dos professores explica que apenas deseja aparecer para que os protestos não sejam esquecidos, admitindo no entanto que outros sindicalistas aparecem realmente demais. “Não quero referir nomes, mas aquele Carvalho da Silva mete o nariz em todo o lado”, refere. Mário Nogueira iniciou a sua carreira como sindicalista júnior da Associação Sindical dos Padeiros do Norte e Ilhas, passando para a área educativa quando o aparecimento súbito de uma lesma peluda no lábio superior ditou o seu afastamento por motivos de higiene. 26/12

Adivinhem quem voltou

Santana Lopes promete alcatifar Avenida da Liberdade

O recém-nomeado candidato do PSD à Câmara de Lisboa mostrou-se honrado com a escolha de uma direcção com quem teve relações conturbadas no passado e apresentou já algumas das ideias brilhantes que foram a sua imagem de marca na anterior passagem pela autarquia da capital (como a revitalização do Parque Mayer ou a transferência da Feira Popular para nova localização, acções que serão concluídas no próximo dia 31 de Fevereiro), garantindo ainda ser um homem novo. “Este Santana Lopes em versão 2.1 que perante vós se apresenta não é igual ao homem que foi primeiro-ministro e edil de Lisboa”, afirmou. “É um homem com maior experiência, com um guarda-roupa quase totalmente renovado e com mais talento para camuflar uma avidez doentia por qualquer poleiro que me permita exposição mediática e doses generosas de poder.” Quanto aos projectos para a cidade, Santana quer alcatifar a Avenida da Liberdade, transformando-a num enorme corredor de acesso aos muitos turistas que desejarão maravilhar-se com o Túnel do Marquês. Além disso, o homem que pôs a Figueira da Foz no mapa das competições de futebol de praia quer ainda substituir o Dia Europeu Sem Carros por um Dia Europeu Sem Soutien, em que as lisboetas deverão passar 24 horas sem o apoio do referido artefacto por motivos de alta política. António Costa, principal adversário de Santana refere que a escolha entre as duas candidaturas será uma escolha entre a cigarra e a formiga, a bela e o monstro, a agulha e o deal, o capuchinho vermelho e o lobo mau, prometendo para breve novos pares antagónicos retirados do imaginário popular. 18/12

Bancarrota

Crise financeira motiva nacionalização acidental de banco de jardim

Quando Joaquim Pires, jardineiro ao serviço da Câmara Municipal de Lisboa, decidiu solicitar aos seus superiores autorização para intervir num banco degradado do Jardim da Estrela, estaria longe de prever as bizarras consequências do seu zelo profissional. Duas semanas depois da participação, quando Joaquim comprara já madeira e verniz para proceder à reparação, foi surpreendido por uma nota oficial informando-o de que deveria abster-se de qualquer acção porque o referido banco entrara em processo de nacionalização. “Em quarenta anos de profissão, já vi um homem adulto a nadar com os patos e a fazer quá-quá, já encontrei reformados a jogar strip poker em pleno Inverno e até já lidei com alguém que andava a esculpir formas obscenas nos cactos, mas uma coisa destas surpreendeu-me”, refere o jardineiro. O engano ter-se-á devido a erro de processamento do sistema informático da administração central (composto por computadores Magalhães) que terá ignorado a multiplicidade de significados da palavra “banco”, depois de directivas rigorosas para lidar prontamente com todas as dificuldades de instituições bancárias e evitar o seu colapso. Sem querer reconhecer o erro, o governo prepara-se para nomear um administrador para o banco do Jardim da Estrela, bem como uma equipa de oitocentos colaboradores a tempo inteiro, instalados num edifício alugado nas imediações e submetido a dispendiosas obras de remodelação. Entretanto, Dias Loureiro deixou bem claro que nunca se sentou no banco em questão e a Presidência da República tornou público que Cavaco Silva não frequenta jardins porque a cor verde lhe provoca azia. Com o passar do tempo e o aumentar da degradação, o banco nacionalizado foi recentemente removido do local em que se encontrava, mas isso parece não incomodar ninguém. 5/12

O bom camarada à doutrina torna

Bloco de Esquerda desmente recaída extremista com Sá Fernandes

A direcção do partido mais “in” do espectro político português desmentiu em comunicado oficial que o recente corte de relações com José Sá Fernandes constitua sinal de recaída extremista no passado político dos dirigentes e militantes de topo, muitos dos quais integraram movimentos de ideais pitorescos como o trotskismo, o maoísmo ou o pouco divulgado badarismo (doutrina baseada nos ensinamentos de Badaró, comediante luso-brasileiro recentemente falecido que era também líder proletário underground). No entanto, a nota não desmente que Sá Fernandes tenha sido convidado a discutir o seu futuro partidário num acampamento em Salvaterra de Magos, única autarquia governada pelos bloquistas. A Inépcia sabe que o vereador lisboeta se terá deslocado ao local, constatando que o acampamento estava rodeado por uma vedação de arame farpado e que a placa sobre a entrada ostentava os dizeres “Acampamento de Convívio Militante” apressadamente pintados sobre inscrição anterior dizendo: “Campo de Reeducação Política”. Quando lhe foi pedido que, por motivos de higiene, deixasse a roupa e os seus haveres à entrada, vestindo uma farda numerada e dirigindo-se para a caserna mais próxima da torre de vigia oriental, Sá Fernandes ter-se-á apressado a voltar para o carro, afastando-se à velocidade permitida pelo veículo Yugoque comprou em 1987 num mercado de Sarajevo e que terá pertencido ao marechal Tito. Até à data, o único ocupante deste peculiar acampamento continua a ser um vereador de Salvaterra, apanhado a oferecer um computador Magalhãesao filho e que, sob vigilância de um dos “comissários armados de folguedo político” garantiu estar ali por vontade própria e por gostar de choques eléctricos. 28/11

Do mal o menos

Financial Times considera Teixeira dos Santos o pior ministro das Finanças mas o segundo governante mais sexy

Ocupado a negar a inevitabilidade da pior crise global das últimas décadas, Teixeira dos Santos tem finalmente motivo para sorrir depois de o Financial Times o ter eleito, em simultâneo, o pior ministro das Finanças da Zona Euro e o segundo governante mais sexy, atrás do ministro lituano da Saúde, Gediminas Cerniauskas. A distinção como pior titular da pasta das Finanças poderá não ser muito positiva, mas o ministro terá aprendido com José Sócrates a concentrar as suas atenções nos aspectos positivos, fazendo de conta que os negativos não existem ou negando-lhes importância. O ranking dos ministros das Finanças foi elaborado a partir dos indicadores económicos de cada estado e da opinião de um painel de especialistas, enquanto o ranking de sensualidade ministerial foi elaborado com base em impulsos hormonais emanados das zonas pudendas dos analistas. Ao que a Inépcia apurou, o elemento a fazer pender a balança em favor do ministro português terá sido uma fotografia tirada no último Verão numa praia nudista, na qual Teixeira dos Santos surge deitado, exibindo os seus dotes naturais habitualmente mais ocultos, além da perfeição prateada do cabelo e dos lábios carnudos e calorosos de peixe de águas profundas. A fotografia terá sido remetida em envelope com o timbre do primeiro-ministro rasurado a caneta. Instado a comentar, o ministro escusou-se, ocupado com uma rusga policial que lhe descobriu um núcleo escondido dos No Name Boys na gaveta das peúgas. O Financial Times considerou também Manuela Ferreira Leite como a líder de oposição europeia com ironia mais refinada, mas a presidente do PSD rejeita a distinção, empenhada em cumprir a promessa feita a figuras destacadas do partido de passar seis meses sem tentar ser espirituosa. 21/11

Revista à portuguesa

PS lança revista inteiramente dedicada a Manuel Alegre

O Partido Socialista apresentou na sua sede do Largo do Rato o primeiro número de uma publicação inteiramente dedicada a Manuel Alegre. Trata-se da revista do MAVL (Movimento Autónomo de Valorização Local), designação referida como potenciadora de debate sério acerca da regionalização e não como camuflagem de um significado escondido da sigla: Manuel Alegre Vai-te Lixar. No primeiro editorial, o director J. Aristóteles (nome que se admite ser pseudónimo de uma figura destacada do partido) reafirma que, apesar de Manuel Alegre servir de mote à edição, não se pretenderá achincalhá-lo, nem exercer represálias pelas opiniões negativas manifestadas na sua “Ops!, revista de opinião socialista". O leitor mais céptico é remetido para material de isenção notável publicado na revista, como o estudo encomendado ao ISIPSP (Instituto de Sondagens Imparciais Pedro S. Pereira) sobre o número de pulgas na barba do mítico deputado e poeta ou o elogioso artigo com o título: “Principais contributos de Manuel Alegre, esse grande fedorento, para a democracia em Portugal”. O secretário-geral, José Sócrates, sublinhou a aceitação da pluralidade de ideias no partido, sendo acompanhado nesta convicção pelos restantes dirigentes e militantes que manifestaram concordância por intermédio de vigorosos acenos de cabeça. O líder socialista aproveitou ainda para clarificar que a impressão do Orçamento de Estado para 2009 em folhas com marca de água representando Manuel Alegre e um cavalo em actos pouco dignos foi apenas uma infeliz coincidência. 14/11

Deixem eleger o Mantorras

Seguindo exemplo de Obama, Pedro Mantorras avança para a presidência portuguesa

Depois de os Estados Unidos terem eleito o seu primeiro presidente afro-americano, poderá ser a vez de Portugal eleger o primeiro afro-africano para o mais alto cargo da hierarquia política nacional. Assim espera Pedro Mantorras, futebolista do Benfica e candidato às presidenciais de 2011. A vocação política foi descoberta quando sintonizou por acidente um canal televisivo ao ligar a sua consola Playstation e assistiu ao discurso de vitória de Barack Obama. “O Mantorras ficou emocionado”, afirma. “Foi então que decidi dedicar a minha vida a mudar Portugal, até porque a carreira no futebol já era.” Dois obstáculos de peso se colocam ao futebolista presidenciável. Por um lado, a nacionalidade angolana, facilmente alterável no passaporte com a substituição da faca de mato e roda dentada nas armas da República de Angola por um autocolante com as quinas portuguesas. Por outro, o facto de Mantorras não ter ainda trinta e cinco anos, idade mínima exigida aos candidatos, também fácil de corrigir com uma esferográfica azul, recordando-se que o jogador foi notícia por ter alterado o prazo de validade do passaporte pelo mesmo método. Quanto às possibilidades de eleição, os analistas lembram que Mantorras poderá contar com o voto em massa dos vinte e sete milhões de adeptos que o Benfica tem em Portugal, constituindo 143% da população, percentagem mais que suficiente para evitar uma segunda volta. 7/11

Culpada, mas inocente!

Fátima Felgueiras acredita que condenação não deixa dúvidas quanto à sua inocência

A autarca felgueirense, acusada de vinte e três crimes relacionados com corrupção e abuso de poder, emergiu vitoriosa do tribunal onde foi condenada a três anos e três meses de prisão em pena suspensa e à perda do seu mandato, comemorando com os muitos munícipes fiéis que a esperavam aquilo que considerou ser o fim de um longo pesadelo. “A justiça funcionou”, disse. “Depois de tamanho enxovalho, esta condenação prova de forma inequívoca a minha inocência e repõe a dignidade do município e dos felgueirenses, mesmo que esta nunca tenha sido questionada.” As declarações foram recebidas com gritos de júbilo, vivas à presidente da câmara, insultos aos acusadores e uma ou outra proposta de canonização em vida. Sem demoras, Felgueiras despediu-se dos populares e entrou numa ambulância dos bombeiros locais convertida em viatura de luxo (com colchão de água na maca e um pequena banheira de hidromassagem), desculpando-se com a necessidade de fazer uns levantamentos urgentes no banco. Os munícipes devotos permaneceram no local para clamar inocência de outro réu, António Constantino, conhecido carinhosamente como Toni Psicopata, injustamente acusado de homicídio e profanação de cadáver depois de ser detido junto a um corpo ainda quente, segurando uma faca ensanguentada e com um rim humano preso nos dentes. 7/11

O Heilinho da Madeira

Octogenário alemão residente na Madeira desde 1945 apoia deputado do PND

O deputado regional José Manuel Coelho pode respirar de alívio, sabendo que existe pelo menos um madeirense que não considera o desfraldar de uma bandeira nazi em plena Assembleia Legislativa um gesto imbecil. Trata-se de Otto Krause, imigrado na ilha desde a falência em 45 da firma de arquitectura paisagista em que trabalhava na localidade bávara de Dachau, após tentativa de aquisição forçada por uma holding anglo-americana e por uma sociedade por quotas sediada em Moscovo, resultando a operação no trágico suicídio do administrador, da esposa e dos seus colaboradores mais próximos. “Vieram-me lágrimas aos olhos quando vi um momento tão bonito na televisão”, explica Krause no seu português ainda com um carregado sotaque alemão. “Infelizmente, não ouvi o que disse porque sou duro de ouvido, mas envio uma saudação vigorosa de braço estendido ao meu amigo José Manuel Coelho.” Entretanto, na sequência da polémica suscitada pelo gesto, a maioria social-democrata na Assembleia Legislativa começou por suspender o deputado à revelia das normas e, posteriormente, suspendeu os trabalhos apenas “porque sim”. O presidente do parlamento regional, Miguel Mendonça, suspendeu entretanto a suspensão anteriormente decretada e, questionado sobre a lógica da actividade parlamentar madeirense dos últimos dias, explicou que a lógica se encontra suspensa na região autónoma desde 1985. A Inépcia tentou obter um comentário de Alberto João Jardim, impossibilitado por se encontrar a chafurdar em lama terapêutica por recomendação do seu homeopata. 7/11

Ombro, arma!

Militares em desespero ameaçam soltar bufas concertadas

Há muito tempo que o espectro de um levantamento militar não pairava sobre o país. Esse período de tranquilidade termina agora com rumores de que o descontentamento nas forças armadas poderá levar os militares a fazer "alguma coisa" que ponha em risco a democracia. No entanto, o major Albano Diarreia da Costa, antigo oficial de comandos e especialista em estratégia e técnicas avançadas de depilação, considera o desespero real, mas descarta a possibilidade de um golpe de estado. “O perigo que o país corre é muito maior”, afirma. “Derrubar o governo não é nada perante a ofensiva fedorenta a que poderemos recorrer em último caso.” O major refere-se à possibilidade de militares de todas as patentes começarem a harmonizar a sua flatulência, empestando o país de tal forma que os governantes serão forçados a ceder aos seus pedidos. No entender do capitão-de-fragata Lucas Rinoceronte Medeiros, as exigências dos militares são perfeitamente justificáveis, mesmo em época de crise generalizada. “É verdade que a maior parte dos portugueses vive mal, mas os militares têm direito a viver melhor do que os seus concidadãos porque… Dê-me uns dias para pensar e volte a perguntar-me”, concluiu, após quarenta minutos de silêncio. O homem que motivou esta percepção súbita do risco que corre a democracia não considera irresponsável sugerir do nada que as forças armadas portuguesas poderão sublevar-se por questões relacionadas com salários, orçamentos e sistemas de saúde. Ao invés, o general Loureiro dos Santos promete continuar a alertar a sociedade para perigos que lhe escapem, como fará em conferência próxima subordinada ao tema: “Lobisomens pedófilos de inspiração islâmica – Uma ameaça esquecida?”31/10

Ai a perda

Ladrão do livro inédito de Miguel Sousa Tavares candidato a Nobel por serviços à literatura

A Academia Sueca, instituição que atribui o Prémio Nobel da Literatura, tenta identificar o homem que assaltou recentemente a casa de Miguel Sousa Tavares, levando um computador com trabalhos inéditos. A Academia pretende galardoar com um Nobel extraordinário os esforços para evitar a publicação de mais um best-seller automático de parco mérito artístico, que os portugueses comprarão de forma compulsiva como compram qualquer livro escrito por pessoas que apareçam na televisão. Entre as obras inacabadas contidas no computador roubado, merece destaque o novo romance do autor, um volume espesso sobre desventuras familiares/políticas/amorosas em antigas colónias portuguesas e também uma colectânea de poemas inspirados por ressacas de whisky caro. Alheio à simpatia para com o assaltante, Sousa Tavares continua a estranhar o facto de o ladrão ter levado apenas o computador, não negando a possibilidade de conspiração internacional movida por instâncias avessas à literatura de merda. Ainda assim, vai apelando ao assaltante para lhe devolver o computador, convidando-o a escolher o que quiser do recheio da casa, referindo-se à garagem contendo apenas caixas de fruta vazias e um televisor a preto e branco para onde se mudou nos últimos dias por motivos de Feng Shui. Confrontado com a possível ingenuidade informática revelada pela ausência de cópias de segurança de documentos importantes, o autor refere ter adquirido uma “pen”, faltando-lhe ultrapassar alguns problemas de configuração. Ao que a Inépcia apurou, a “pen” em questão é uma esferográfica Bic de cor azul. 24/10

Uma pontinha de admiração

Dois em cada três políticos nacionais já tiveram erecções provocadas por Barack Obama

O homem que poderá tornar-se o primeiro presidente negro dos Estados Unidos consegue estimular mais do que a consciência política dos nossos dirigentes, de acordo com estudo encomendado pela Inépcia à Ginjinha do Rossio. E o primeiro a admiti-lo é José Sócrates. O primeiro-ministro confessa que o garbo e a postura de Obama já lhe provocaram algumas erecções de admiração, não sendo uma reacção sexual, mas apenas reconhecimento de capacidades a alguém que diz partilhar a sua forma de estar na política. “São erecções semelhantes às que tenho quando passo horas a ver gravações das minhas intervenções públicas”, explica. E a admiração pelo senador do Illinois não é exclusiva dos que se consideram próximos da sua esfera política. O líder do CDS, por exemplo, também não nega uma erecção ou outra. Paulo Portas diz mesmo que foi Obama a provocar a sua erecção mais intensa desde uma tarde de adolescência na Praia da Carcavelos com uma namorada, que coincidiu com a passagem repentina de uma colónia balnear de escuteiros em alegre corrida. O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, equipara as erecções provocadas pelo candidato democrata à Casa Branca à que sentiu quando apertou a mão a Fidel Castro e Francisco Louçã, do Bloco de Esquerda, confessa ter alguma dificuldade em notar estas reacções por sofrer de uma forma rara de priapismo (condição que provoca erecções persistentes), o que lhe desvia o sangue para a cabeça e origina a sua constante efervescência crítica. Já Manuela Ferreira Leite, presidente do PSD, considerou de muito mau gosto ser questionada a respeito de erecções, mas uma figura destacada do partido, sob anonimato, garantiu que a líder tem o mesmo número de erecções de José Sócrates, sendo estas mais seguras e conscientes do melhor rumo para o país. 17/10

Com ligeiro aperto, cabem mais duas ou três

Embaixada do Kosovo instalada em casa de Luís Amado

Depois do reconhecimento da independência do Kosovo, a primeira representação diplomática do novo estado em Lisboa ficará alojada na residência particular do ministro dos Negócios Estrangeiros. O reconhecimento de uma independência unilateralmente declarada forçará Portugal a reconhecer os inúmeros estados em situação idêntica espalhados pelo mundo, exigindo sacrifícios para conseguirmos acolher todas as suas embaixadas e consulados na nossa capital. Estima-se que, durante o próximo biénio, um em cada sete lares lisboetas seja forçado por decreto a acolher uma representação diplomática de estado recém-independente, mas, por enquanto, não há confirmação destes números e não haverá motivos para alarme. Recentemente, uma família de cinco pessoas residente em Benfica foi surpreendida por carta alegadamente enviada pelo ministério dos Negócios Estrangeiros, alertando para a necessidade de reservarem uma divisão do seu T3 para instalação da futura embaixada da república separatista moldava da Transnístria, mas não há confirmação oficial de que a missiva fosse digna de crédito. Os funcionários da embaixada do Kosovo já ocuparam as suas novas instalações em casa do ministro, tendo sido transferidos da despensa para uma casa de banho, depois de incidente relacionado com a exportação ilegal de latas de atum e salsichas para os Balcãs. Luís Amado nega que os kosovares tenham entretanto declarado a independência do seu WC, afirmando que leva o passaporte para a casa de banho apenas como material de leitura. 10/10

It's raining men!

Casamento homossexual: Disciplina de voto no PS não se aplica a Diogo Infante

A bancada parlamentar socialista aprovou a disciplina de voto contra a legalização dos casamentos homossexuais, mas, ao que a Inépcia apurou, a mesma não se aplicará a Diogo Infante. Nem haveria motivo para que se aplicasse, visto que o actor não é político e não tem nenhuma relação de maior ou menor intimidade com o partido ou com algum dos seus líderes. Recorde-se que, durante a campanha eleitoral para as últimas eleições legislativas, chegou a circular o boato maldoso de que José Sócrates e Diogo Infante teriam uma relação homossexual, mas depressa se provou não ser verdade. Até porque, pouco depois, se tornou público que o novo primeiro-ministro mantinha uma relação amorosa com uma jornalista habituada a cobrir a actualidade política, o que, por algum motivo, se considerou mais próprio do que uma relação com um homem liberto de obrigações de imparcialidade. Além de Diogo Infante, outro isento da disciplina de voto será Pedro Nuno Santos, antigo líder da JS. Alberto Martins, líder da bancada, refere que o facto de um deputado em 121 poder votar de acordo com a sua consciência é “uma afirmação de pluralidade”, conseguindo evitar a custo rir-se da própria piada. Quanto ao maior partido da oposição, o PSD inclina-se para propor um referendo mas não descarta totalmente a disciplina de voto, que seria imposta por Manuela Ferreira Leite de corpete de cabedal, meias de rede, saltos agulha e chicote. 3/10

Hocus pocus

Correio da Manhã noticia onda de feitiçaria juvenil na periferia de Lisboa

Um dos jornais mais lidos do país (acreditando-se que surge espontaneamente em todos os cafés e barbearias como uma espécie de bolor) noticiou em edição recente a formação de uma Liga de Feiticeiros Portugueses em várias localidades dos arredores de Lisboa. A notícia fundamenta-se no site da LFP e nos vídeos colocados no Youtube, em que os seus membros, com idades entre os 8 e os 14 anos, surgem envolvidos em recitação de encantamentos e posando com varinhas mágicas. No site, existem ainda testemunhos escritos de acções do grupo, relatando combates contra bandos rivais liderados por um tal Valdemar (erroneamente referido com a grafia incorrecta "Voldemort", um alerta para os erros cometidos pelos nossos jovens na escrita do português) e em defesa de alguém referido pelas iniciais HP, que os repórteres do Correio da Manhã julgam significar Homicida Paranormal. Para Leonel de Carvalho, responsável pelo Gabinete Coordenador de Segurança, não há motivo para alarmes e só por "delírio" poderá alguém comparar a situação das artes mágicas em Portugal com a que se verifica noutros países, mas admitiu aumento ligeiro no ilícito sobrenatural. "Passámos de uma taxa de queixas por ocorrência mística de 0.00001% em 2006 para 0.00002% em 2007 e isso poderá dever-se à entrada no nosso país de imigrantes que vêm de uma cultura feiticeira a que não estamos habituados," explica, enfiando esferográficas nas narinas para imitar uma morsa. Depois de transformar uma brincadeira de miúdos numa "máfia das favelas", o Correio da Manhã volta a prestar mais um grande serviço ao país. Para Eduardo Dâmaso, director-adjunto, "é responsabilidade dos jornalistas alertar os cidadãos para todas as ameaças, sejam reais ou fictícias." Confrontado com o facto de não ser essa a responsabilidade dos jornalistas, não fez mais comentários, desculpando-se com a investigação de práticas satânicas na claque benfiquista dos Diabos Vermelhos . 26/9

Avé Maria

Manuel Pinho considera economia portuguesa protegida da crise internacional por Nossa Senhora de Fátima

O ministro da Economia recomendou tranquilidade aos portugueses, garantindo que a crise financeira internacional não terá grandes efeitos em Portugal enquanto pudermos contar com a única instância que ainda vale ao país: Nossa Senhora de Fátima. Muitos sentir-se-ão alarmados ao constatar que apenas poderes sobrenaturais conseguem fazer algo por nós, mas a situação já se arrasta nestes moldes há décadas (mais século, menos século) e não haverá nisto qualquer novidade. Dada a garantia, Manuel Pinho refere como motivo adicional para o sossego dos portugueses o facto de não termos uma economia digna desse nome que pudesse ser grandemente afectada. "Em vez de economia, o que temos é contabilidade, como qualquer mercearia de bairro", refere. "E essa contabilidade é tão segura como a do merceeiro da esquina que ainda faz as contas em cadernos de páginas quadriculadas que, por vezes, se colam umas às outras com resíduos de fiambre e hortaliça." Quanto ao seu cargo algo paradoxal de ministro de uma suposta "Economia", explica que as suas funções são basicamente anotar os governos estrangeiros que nos dão "ajudinhas" e garantir que os sabonetes, garrafas de vinho e cartões de agradecimento em cortiça são encaminhados para o destinatário certo. Depois deste anúncio da protecção da Virgem ao remendado bolso nacional, o Catolicismo registou subida na bolsa de Wall Street, ultrapassando o Islão, culto que teve um crescimento explosivo nos últimos anos. A compra do Xintoísmo pelo governo japonês para evitar bancarrota não teve ainda quaisquer consequências. 19/9

Os putos, os putos

Paulo Pedroso quer indemnização paga em miúdos

O ex-ministro, injustamente envolvido no processo Casa Pia, não abdica de receber do Estado uma indemnização por danos morais, exigindo agora que a mesma seja paga em miúdos. A exigência foi tornada pública em conferência de imprensa no salão nobre do jardim-de-infância O Rabinho Saltitante de Paço de Arcos e, depois do choque generalizado dos presentes, Paulo Pedroso lá explicou que se referia ao pagamento dos cem mil euros em moedas e em notas de baixo valor. Pouco depois de se anunciar o seu regresso à Assembleia da República, de onde partiu para a prisão preventiva e onde regressou em cortejo triunfal depois da libertação (ainda que os participantes no cortejo não tenham demorado a pôr-se a milhas para não verem as suas reputações melindradas), a antiga esperança do PS diz que considera o seu nome limpo e não guarda rancores, recordando à justiça portuguesa que “nem sempre o que parece é e não bastará ter cara de pedófilo para se ser culpado de pedofilia.” Quanto ao regresso à política activa, mostra-se determinado em deitar mãos à obra, elegendo como principal meta “atacar pela retaguarda e sem lubrificação o flagelo da exclusão social, depois de o atrair com caramelos e chupa-chupas.” Pedroso referiu ainda que deseja ser indemnizado em miúdos para poder doar o dinheiro a quem dele necessita, com ênfase para “aqueles rapazinhos que pedem no metro de Lisboa, com cães em cima do acordeão, e que dão vontade de os sentar no colo e fazer festas pelo corpo todo”, clarificando que se referia, obviamente, aos animais. 12/9

Quem diria?

Luís Nobre Guedes morto desde Julho de 2003

O anterior (possivelmente actual) vice-presidente do CDS não se terá demitido há um ano, como tem sido noticiado, sendo a situação um pouco mais complexa. Conforme a Inépcia apurou junto de fontes hospitalares, Luís Nobre Guedes morreu em Julho de 2003, depois de se ter engasgado com um caroço de tangerina. Fica explicado o motivo que o impediu de ocupar a vice-presidência do partido ao longo do último ano, mas nasce um enigma de mais difícil resolução. Em Julho de 2004 (um ano depois da sua morte acidental), Nobre Guedes tomou posse como ministro do Ambiente, cargo que manteve até Março do ano seguinte. Ainda que não custe acreditar que o cargo foi ocupado neste período por um morto, tendo em conta o abate ilegal de sobreiros e as acusações de tráfico de influências, estranha-se que ninguém tenha dado por isso. Talvez a explicação resida numa ancestral tradição da família Nobre Guedes, submetendo-se os seus membros a um processo secreto de embalsamamento aquando da morte, que ajuda a manter uma convincente aparência de vida e que, com a ajuda de manipuladores e ventríloquos especializados, conseguirá mesmo pôr o defunto a mover-se e a prestar declarações, sempre com inevitável e compreensível banalidade. Portas terá percebido nalgum ponto da sua colaboração que o companheiro de luta política era um cadáver, optando por esconder o facto de forma a não chocar ninguém. Foi só agora, com o embalsamamento a não resistir ao Verão húmido, que se viu forçado a admitir a verdade, até porque Nobre Guedes começava a cheirar mal e mais facilmente se aceita que um dirigente do CDS seja um morto embalsamado do que alguém que não toma banho. O presidente do partido admite o lapso, mas considera provada a grandeza de uma força política que se aguenta tanto tempo com líderes falecidos e anuncia que irá convidar Adelino Amaro da Costa (1943-1980) para o cargo de vice-presidente. 5/9

Assim não há condições

Criminosos portugueses receiam não estar à altura de "onda de crime" promovida pela comunicação social

Não são apenas os cidadãos ordeiros os afectados pela "onda de criminalidade violenta" que o país atravessa (de acordo com a comunicação social) e os próprios meliantes começam a acusar a responsabilidade do permanente escrutínio mediático. Para Mané Balázio, presidente do Sindicato do Crime do Sul e Ilhas: "Até aqui, com as ondas de insegurança, ainda nos íamos aguentando, mas com a promoção a ondas de crime e com até os roubos mais insignificantes a terem cobertura televisiva, começamos a sentir que o país quase nos exige que pratiquemos a nossa arte e nem todos os colegas serão capazes de lidar com esta pressão." A opinião é partilhada por outros líderes sindicais do submundo. O presidente da UACAS (União de Assaltantes, Contrabandistas, Assassinos e Similares), Carvalho da Silva (sem parentesco com o líder da CGTP) refere ainda a mudança de expectativas do público. "Assaltos simples, roubos por esticão ou furtos domiciliares já não impressionam ninguém", refere. "Os portugueses têm visto assaltos com reféns e snipers e utilização de mísseis em carrinhas de valores e começam a habituar-se mal. Além disso, há ainda o problema dos comentários especializados. Tira a piada ao crime saber que cada roubo de caixa Multibanco tem um valor sociológico profundo." Ignorando as queixas da classe criminosa, o governo esforça-se para mostrar serviço na luta contra a "onda de criminalidade violenta", quer esta seja real ou não. Em breve, será anunciada a entrada ao serviço do primeiro super-herói português, um espécime concebido em laboratório a partir da fusão de qualidades dos nossos dirigentes, nomeadamente: a clareza de ideias de Pinto Monteiro, a simpatia de Rui Pereira, a diplomacia de Mário Lino, o ligeiro atraso mental de Alberto Costa (para mostrar que somos uma sociedade que não discrimina) e a capacidade de José Sócrates para ignorar tudo o que não se enquadre na sua visão idealizada de um país a caminho da perfeição. 29/8

Mais rápido, mais alto, etc.

Vicente Moura será o único integrante da equipa olímpica nacional nos Jogos de 2012

Depois de voltar atrás na decisão de deixar a presidência do Comité Olímpico de Portugal, admitindo recandidatar-se dois dias após ter anunciado o contrário, Vicente Moura manifesta agora o intuito ambicioso de ser o único integrante da delegação portuguesa nos Jogos de 2012 em Londres, participando em todos os eventos. Manifestando vigor invejável, o ainda presidente do COP acredita estar em condições de prometer entre sete e oito medalhas, conquistadas por si próprio, mesmo a anos de distância da próxima Olimpíada. “Tenho consciência de que já não sou propriamente um jovem,” refere “mas ainda me sinto muito capaz de dar alegrias aos portugueses, sobretudo nas provas de ginástica rítmica, modalidade para a qual revelei apetência desde os tempos de miúdo.” A decisão foi tomada após concluir que não pode confiar a outros o cumprimento das suas promessas de medalhas, ocupando-se pessoalmente de as conquistar. Quanto aos críticos que lhe apontam a impossibilidade de participar sozinho em todos os eventos, é claro: “Obviamente é apenas força de expressão. Não vou participar nos desportos de equipa e não conseguirei iludir os juízes em algumas das modalidades femininas cujo desempenho exija vestuário mais escasso.” No entanto, continua a insistir que a promessa de quatro ou cinco medalhas em Pequim não foi um absurdo e, depois da prata conquistada no triatlo por Vanessa Fernandes, não hesita em apontar a conquista do ouro por Nélson Évora como prova disso mesmo, tendo encomendado a uma equipa de matemáticos um estudo para provar que 1+1 pode ser igual a 4 em circunstâncias muito específicas. 22/8

Não me toques

Cavaco encomenda redoma pessoal à prova de bala

O Presidente da República encomendou uma redoma para garantir a sua segurança sem polémicas como as suscitadas por notícias recentes. Cavaco Silva terá ficado irritado com a reacção adversa da opinião pública à interdição do espaço aéreo sobre a sua residência de férias no Algarve e ao grande aparato policial que o acompanhou à representação do musical "Jesus Cristo Superstar". A interdição do espaço aéreo chocou sobretudo por parecer o tipo de desmando arbitrário e paranóico que se esperaria de um ditador africano, enquanto que o pequeno exército que o acompanhou ao teatro incomodou não tanto pelo número exagerado de guarda-costas em ocasião tão informal, mas pela constatação de que a primeira figura do Estado aprecia espectáculos de Filipe La Féria. A redoma será fabricada por uma empresa israelita especializada em segurança de figuras públicas e terá capacidade para salvaguardar a segurança do seu ocupante, permitindo mobilidade perfeita e comunicação melhorada por um moderno sistema sonoro de filtragem de disparates. Merece destaque também o sistema de comunicações, que facilitará futuros "comunicados urgentes à nação" sobre trivialidades jurídicas que 95% dos cidadãos não compreendem nem querem compreender. Ao que a Inépcia apurou, a principal ameaça à segurança presidencial virá dos duendes que habitam a cavidade rectal de Cavaco Silva e que, por vezes, saem do esconderijo para convencer pessoas em redor a colocá-lo em situações que o fazem parecer ter a profundidade intelectual e carisma de um bacalhau seco. 15/8

Crepe Primavera

China recua na intenção de explodir prisioneiros políticos na cerimónia de abertura dos Jogos

A organização dos Jogos Olímpicos de Pequim cancelou o espectáculo pirotécnico da cerimónia de abertura no qual prisioneiros políticos seriam besuntados com explosivo colorido e lançados para os ares em mísseis especialmente construídos para o efeito, explodindo em luz e cor. A mudança de ideias surgiu no último momento, depois de os chineses serem alertados por consultores internacionais para a possível reprovação de países mais sensíveis. Recordando que tanto a pirotecnia, como a detenção de pessoas pelos seus ideais são ancestrais tradições chinesas, os organizadores lamentam o cancelamento do número porque, além de ser uma maravilha visual, permitiria eliminar o incómodo dos prisioneiros políticos, deixando estes de existir no país (pelo menos até a fornada seguinte ter idade para protestar) e atendendo finalmente aos apelos das organizações de defesa dos direitos humanos. O presidente do Comité Olímpico Internacional não comentou o facto, mas manteve-se firme na convicção de que a China foi a escolha ideal para acolher os Jogos de 2008, mesmo sendo uma ditadura que ignora os direitos dos seus cidadãos. Como explicação, Jacques Rogge, lembrou que, nas Olimpíadas da antiguidade, os diferendos políticos eram suspensos enquanto durassem as provas, o que será um exemplo a seguir. Indo mais longe, o presidente do COI sugeriu ainda a valorização de outras tradições da Grécia antiga como a discriminação das mulheres ou a escravatura. À luz deste novo espírito, o lema do movimento olímpico será alterado para: “Mais rápido, mais alto, mais forte, mais cuidado com o que dizes e pensas ou vais para um campo de trabalho ser reeducado politicamente.” 8/8

Que viva España

Computador Magalhães coloca-se ao serviço dos espanhóis

A notícia caiu como um autêntico balde de água fria sobre as ambições tecnológicas do governo socialista. O Magalhães, computador simplificado destinadado ao público infantil apresentado esta semana por um José Sócrates eufórico, traz um erro de software que, depois do terceiro arranque do equipamento, adopta o castelhano como primeira língua, coloca uma fotografia da selecção campeã europeia de futebol como fundo do ambiente de trabalho e substitui todos os tons sonoros por trechos de flamenco. Não deixa de ser irónico que o equipamento se tenha "vendido" desta forma aos espanhóis, precisamente como fez o navegador português cujo nome recebeu. O primeiro-ministro, no entanto, não apreciou a ironia e continua a insistir nas qualidades de algo que foi apresentado como sendo "o primeiro computador de fabrico português", apesar de se tratar de um produto destinado ao terceiro-mundo que a empresa americana Intel já comercializa há algum tempo. "O Magalhães representa o melhor de que os portugueses são capazes na apropriação de méritos alheios como nossos", referiu, voltando a apontar a utilidade do equipamento como primeiro contacto dos jovens com a informática. E com razão. Afinal, quando temos crianças que mal sabem falar já a utilizar computadores normais, nada será mais útil do que atrofiar-lhes essa habilidade natural com um computador "para totós", que exigirá posterior e penosa transição para o equipamento "adulto". O rumor de que a alegria de Sócrates na apresentação do projecto se deve ao facto de o Magalhães ser o único computador que consegue utilizar permanece sem confirmação. 1/8

Revenge is sweet

McCann citam D. Sebastião como exemplo histórico da ineficácia portuguesa na localização de desaparecidos

Após arquivamento do processo em que se viram como suspeitos do desaparecimento da filha, Kate e Gerry McCann não vacilam no propósito duplo de a localizar e, simultaneamente, de provar que qualquer culpa que exista não lhes deverá ser atribuída a eles, mas sim a Portugal e a todos os seus habitantes, gente criminosamente estrangeira e morena, incapaz de localizar desaparecidos. Para consubstanciar esta convicção, o porta-voz do casal, Clarence Mitchell, referiu o desaparecimento do rei D. Sebastião em 1578 durante a Batalha de Alcácer-Quibir, sem nunca ter sido encontrado, e anunciou que um grupo de historiadores a soldo dos McCann obteve provas conclusivas de que a investigação ao desaparecimento do jovem monarca foi conduzida por um tal Lopo Mendo do Amaral, antepassado em linha directa de Gonçalo Amaral, ex-inspector da Polícia Judiciária afastado do caso Maddie por cheirar mal dos pés. Para lavar a honra ultrajada pela constituição como arguidos, o mediático casal britânico pretende exigir um pedido de desculpas por escrito a todos os cidadãos portugueses (ou em gravação áudio aos nossos muitos analfabetos) e o pagamento de uma indemnização a todos os que acharam a sua história mal contada, agravando-se a quantia se tiver havido formulação de teorias, dizendo, por exemplo, que os McCann deixaram morrer a criança por negligência grosseira, fazendo desaparecer o cadáver num enojante churrasco canibal com familiares e amigos. 25/7

Tudo para cima

João Garcia pretende escalar Soraia Chaves

Depois do Evereste, do Kilimanjaro e do Aconcágua, o próximo desafio do mais célebre alpinista português será a escalada de Soraia Chaves, figura destacada do panorama mediático nacional, destaque esse obtido por nenhum motivo em particular, além do facto de ter seios e nádegas (traços comuns a uma percentagem considerável da população). Poderá pensar-se que não será um projecto de dificuldade idêntica à ascensão aos picos dos Himalaias e sendo verdade que muitos treparam a Soraia Chaves no passado, mas Garcia prefere não facilitar. "Por vezes é nas escaladas aparentemente fáceis que ocorrem os deslizes", refere, "e, por se tratar de uma subida tão frequente, o percurso poderá apresentar-se muito gasto e escorregadio." Soraia Chaves mostrou-se receptiva a ser trepada, afirmando sentir-se orgulhosa pela atenção de alguém tão ilustre como João Garcia e acrescentando que, mesmo que fosse alguém menos ilustre, não faria grande diferença, desde que isso lhe permitisse alguns segundos de exposição mediática. "Como já foi provado por inúmeras vezes, não tenho qualquer resquício de amor próprio", disse. Sendo bem-sucedida como se espera, a escalada seria coroada com o cravar de uma bandeira portuguesa no alto da cabeça de Soraia, mas receia-se que o romper do vácuo possa criar um efeito de sucção colossal, capaz de sugar a civilização como a conhecemos. 18/7

Regresso ao futuro

Governo anuncia regime fiscal mais favorável para a comercialização de máquinas do tempo

Primeiro com os carros eléctricos, agora com as máquinas do tempo, o governo socialista parece cada vez mais apostado em colocar Portugal na vanguarda das novas tecnologias. À semelhança do que sucederá com os futuros carros eléctricos, as primeiras máquinas do tempo comercializadas em Portugal (em data ainda por definir, visto que a tecnologia necessária entrará nos seus primórdios daqui por cem ou duzentos anos) serão contempladas com um regime fiscal que permitirá reduzir o preço de mercado de uma exorbitância para uma simples enormidade. Em conferência sobre tecnologias de futuro num jardim de infância de Tomar, o primeiro-ministro discursou perante uma plateia de crianças de dois anos, referindo a importância das máquinas do tempo para melhorar a qualidade de vida dos portugueses, permitindo aos que não estiverem contentes com as suas condições de vida presentes mudarem-se para outra época que lhes pareça mais propícia. Como comentário adicional, e numa altura em que os seus ouvintes começavam a chorar por mudança de fralda, Sócrates referiu que: "Fica provado o empenho deste Governo. Outros tentariam resolver os problemas que nos afectam com os meios à disposição. Nós vamos mais além e procuramos resolver problemas presentes com soluções que ainda não existem, mas poderão vir a existir em breve." Quanto aos possíveis efeitos nefastos das viagens no tempo, o especialista consultado pela Inépcia (o Dr. Pacheco França, ortopedista de prestígio) considerou que existirá sempre a possibilidade de alterar o presente pela interferência no passado. "Mas e daí?", questionou. "Se fôssemos uma província espanhola, um emirado mouro ou se vivêssemos num mundo em que a Babilónia e o Panamá fossem superpotências, as nossas vidas ficariam piores do que já são?" O governo anunciou ainda que, por motivos técnicos, as futuras máquinas do tempo não permitirão viajar até ao dia 20 de Fevereiro de 2005, data das últimas eleições. 11/7

Prova dos nove

Marcelo Rebelo de Sousa embarca em cruzada para localizar todos os incompetentes do mundo e provar que Jaime Silva é o maior entre eles

O professor voltou atrás com a palavra depois de ter chamado "maior incompetente do mundo" ao ministro da Agricultura, Jaime Silva. É a segunda vez na história que Marcelo volta atrás. A primeira foi o reconhecimento de que mergulhar no Tejo durante a campanha para as autárquicas de 89 não foi uma ideia tão brilhante como inicialmente pensou e, mesmo assim, só o admitiu quando a brotoeja se tornou intolerável. No entanto, não se pense que a decisão denota arrependimento ou mudança de opinião acerca do ministro. "Sou um homem que pautou toda a sua vida pelo rigor e, após reflexão, concluí que não possuo elementos formais que me permitam atestar a qualidade do incompetente ministro da Agricultura como o maior do mundo", explica. Para tirar as coisas a limpo, o comentador da RTP iniciará um périplo mundial com o objectivo de localizar todos os incompetentes do planeta, testando o nível de incompetência de cada um e elaborando uma espécie de ranking internacional de falta de jeito. Depois desse trabalho, mostra-se confiante em que os dados recolhidos lhe permitirão consubstanciar a afirmação antes feita. Os apreciadores da sua rubrica televisiva poderão ficar descansados porque não se prevê qualquer interrupção. Durante a viagem do professor, o contacto será assegurado por intermédio de telefone-satélite, mas isso não será necessário para já, pois a catalogação rigorosa de todos os incompetentes nacionais o manterá junto de nós nos próximos trinta ou quarenta anos, se trabalhar com alguma pressa. Quanto à classificação técnica de um incompetente, manter-se-á o encaixe na figura jurídica da nulidade, aí cabendo toda a sorte de incompetentes, desde ministros inaptos a políticos cujo cargo público de maior relevo tenha sido o de comentador em canais de televisão. Depois de referir este facto, Marcelo arregalou muito os olhos, pareceu vacilar por alguns segundos e acabou por esboçar um sorriso maníaco e fazer uma imitação perfeita de um peru bêbado. 4/7

Venha o próximo!

FC Porto anuncia contratação de Vale e Azevedo

Depois de Cristian Rodriguez, Vale e Azevedo é o último elemento “roubado” pelos campeões nacionais ao Benfica em mais um capítulo da eterna luta entre águias e dragões. O ex-presidente encarnado, preso por crimes de colarinho branco e acusado de outros tantos, reforçará o sector da legalidade duvidosa, área em que os portistas não possuem ainda trunfos suficientes. Nos últimos dias, o homem que queria “um Benfica à Benfica” refugiou-se num mosteiro budista dos Himalaias (após assédio da comunicação social ao seu tranquilo quotidiano londrino) para, de acordo com as suas palavras, “aprender um pouco sobre meditação transcendental, controlo de respiração, reencarnação, desvio de fundos para contas offshore, medicina oriental e coisas desse género.” A contratação resultou de uma ofensiva relâmpago em duas frentes, sendo que apenas nesta houve sucesso. A Inépcia sabe que o Porto tentou também contratar Eusébio para símbolo vivo do clube e só não terá conseguido porque o “Pantera Negra” se encontrava a autografar cabritos recém-nascidos numa aldeia do Tajiquistão. Pinto da Costa comentou o anúncio com a habitual finura, referindo não saber de nada até ser avisado durante alimentação dos Super Dragões com frangos vivos e fotografias da Floribella em cuecas. Quanto à natureza algo infantil e pouco digna destas contratações para fazer pirraça, o presidente portista recusou-se a responder, cobrindo os ouvidos com as mãos e pondo-se em cima de um banco para recitar um poema de sua autoria com o título “A Alegria de Ser Menino.” Numa notícia que poderá estar ou não relacionada, um comprador anónimo adquiriu toda a produção das pastelarias da vila de Sintra, depois de Luís Filipe Vieira ter confessado a um amigo “estar mortinho por comer uma queijada.” 27/6

Até os comíamos!

Portugal novamente campeão moral da Europa

A selecção nacional esteve à altura das expectativas ao sagrar-se pela segunda vez consecutiva campeã moral da Europa em futebol. Os nossos igualaram o feito da Holanda de Johan Cruijff, que conquistou o título moral nos Mundiais de 74 e 78. A prestação no Euro 2008 conseguiu ser ainda melhor do que a do Euro 2004, já que não foi preciso esperar até ao último jogo, garantindo-se o título ainda nos quartos de final, após suada e dramática derrota às mãos da Alemanha. O presidente da Federação Portuguesa de Futebol congratulou-se pela vitória, aceitando parte do mérito (ainda que ninguém lho tivesse oferecido) por ter escolhido o treinador e lutado pela sua continuidade. Quanto à possibilidade de Portugal ganhar títulos reais e não apenas morais, Gilberto Madaíl barafustou algo sobre “gentinha que nunca está contente” e escusou-se a responder a mais questões por estar a caminho de uma comemoração em que disfarçaria bufas de Pinto da Costa com fumo de charuto cubano. O outro grande responsável pelo sucesso luso é o técnico Luiz Felipe Scolari, a caminho do Chelsea mas já com saudades do caloroso povo português. Questionado sobre o ponto alto da sua carreira lusa, refere o lançamento da tradição de pendurar a bandeira no arame da roupa ao lado de peúgas lavadas. O seu sucessor ainda não foi escolhido, mas diz-se que não terá necessariamente de ser português ou sequer humano. 20/6

Quem manda?

Cavaco pede para ser deixado em paz com “o Dia da Raça” ou chamará a PIDE

O Presidente da República pediu contenção nas críticas por se ter referido ao 10 de Junho com uma expressão do Estado Novo (Dia da Raça) e deixou um aviso claro: “Caso se insista em atentar contra a dignidade do chefe de Estado, serei forçado a alertar a Polícia Internacional.” A “Polícia Internacional” referida poderá ser apenas a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado), força policial do Estado Novo, encarregue de perseguir e capturar os opositores do regime. Não se trata da primeira ocasião em que Cavaco Silva manifesta alguma confusão acerca do período histórico em que vive. Já durante a sua longa prestação como primeiro-ministro terá surpreendido os colaboradores mais próximos com tentativas de substituir a natural pronúncia algarvia por um sotaque beirão, insistindo na sujeição de todas as cadeiras, cadeirões e poltronas em que se sentasse a rigorosos testes de aderência para evitar escorregamentos. Convidado a opinar, Pacheco Pereira, comentador político ligado ao PSD, preferiu não o fazer por estar embrenhado num jogo online com outros bloggers influentes, controlando um gnomo virtual peludo muito palavroso mas sem qualquer relevância política efectiva. A Presidência da República também não forneceu quaisquer explicações, referindo apenas que o mais alto magistrado da nação passará o dia em visita a um acampamento dos netos, organizado pela Mocidade (designação que costuma dar aos escuteiros). 13/6

Ultraje!

Descoberto único português que não está indignado com a exclusão do Porto da Liga dos Campeões

Numa revelação causadora de grande pesar e nojo extremo, a Inépcia está em condições de revelar que existe um português a quem a exclusão do Porto da Liga dos Campeões pela UEFA não deixou indignado e num estado de depressão profunda. Trata-se de um empregado de pastelaria residente em Portalegre, que afirma preferir a tauromaquia ao futebol e não ter qualquer predilecção clubística além de uma simpatia ligeira pelo castiço Estrela de Portalegre da terra que o viu nascer. O seu nome será mantido em segredo para evitar represálias merecidas, mas, de acordo com a repelente opinião que professa, é positivo que um clube culpado de corrupção seja punido a nível nacional, sendo perfeitamente racional que essa punição o exclua de provas organizadas por organismo internacional para quem comprar árbitros ou tentar fazê-lo não seja a coisa mais honesta do mundo. Apresentamos desde já as nossas desculpas pela divulgação de opinião tão escandalosamente anti-patriótica que reduziria a lágrimas as alminhas de Afonso Henriques e Nun’Álvares e faria o Infante D. Henrique roer a aba larga do seu chapéu, mas é necessário que se saiba o tipo de perfídia com que temos de conviver. Confrontado com a notícia, Pinto da Costa, presidente do clube lesado, comentou apenas que “há gente para tudo” e, acerca do castigo, explicou que, retirando o U a UEFA, acrescentando um B, um N, um I e um C e ajeitando um pouco as letras, fica clara a ligação desonesta entre aquela instituição e determinado clube português de má índole. 6/6

Sempre a atestar

Grupo de cientistas planeia carro movido a Cristiano Ronaldo

Para combater a crise dos combustíveis, um grupo de cientistas portugueses prestou-se a criar o primeiro automóvel movido a Cristiano Ronaldo. A ideia de converter o avançado do Manchester United numa forma de energia alternativa vem de longe e terá ocorrido a Dorivaldo Pisca, director deste original projecto, num dia em que atava os sapatos. “Faz todo o sentido”, explica, “a única forma de tornar Portugal auto-suficiente a nível energético será converter em combustível um recurso que nos seja abundante. E que recurso nos será mais abundante neste momento do que o talento futebolístico de Cristiano Ronaldo?” O próprio prodígio madeirense já se mostrou favorável à ideia. “O meu objectivo sempre foi ajudar e continuar a trabalhar para chegar mais longe no futuro,” explicou. Confrontado ainda com a possibilidade de se transferir para o Real Madrid, acrescentou: “O meu objectivo sempre foi ajudar e continuar a trabalhar para chegar mais longe no futuro.” O processo que permitirá converter o astro dos relvados em combustível continua no segredo dos deuses, mas passará certamente por uma destilação de fintas, enriquecida com sulfato de namorada mediática passageira. Em jeito de curiosidade, recorde-se que esta equipa de cientistas foi responsável por um processo de filtragem da matéria fecal contida nas palavras de Santana Lopes, que acabou por fracassar. 30/5

O Boca Doce é bom, é bom é

Pastéis de pus de Arcajonjes em risco de extinção

A preocupação com a sobrevivência dos produtos tradicionais ao fervor das autoridades de segurança alimentar na aplicação inflexível da lei atingiu níveis alarmantes na aldeia minhota de Arcajonjes, concelho de Ponte da Barca. A população local não tem contido a sua indignação desde que agentes da ASAE se deslocaram à Confeitaria Barroso, único estabelecimento do país onde ainda se fabricavam os verdadeiros pastéis de pus, célebres pelo peculiar travo agridoce e também pela particularidade de serem confeccionados com uma mistura de pus e claras de ovo em partes iguais. Da visita resultou o fecho das portas por tempo indeterminado e uma multa ao proprietário, Gualdino Barroso, por não usar luvas de borracha no manuseamento dos ingredientes. “É um escândalo”, considerou Gualdino. “O meu bisavô começou a fabricar pastéis de pus quando ainda gatinhava e a receita foi passada de geração em geração. Agora, receio que esta tradição tão bonita tenha chegado ao fim.” O ministro da Agricultura, Jaime Silva, garantiu a continuidade do fabrico dos pastéis de pus, bem como de todos os outros produtos tradicionais, incluindo alguns de que é particular apreciador como o arroz de diarreia de Vale Pardo de Barrigães ou a lendária sopa de vidros partidos de Ribeiró da Bardulha. 23/5

*sniiiiiiiiffff*

Sócrates aproveita deslocação à América do Sul para trocar vício do tabaco pelo da cocaína

O primeiro-ministro pretende levar a sério a promessa de deixar o tabaco, depois de se ter desculpado por fumar no voo que o levou à Venezuela para visita oficial recente. No entanto, as suas últimas declarações a esse respeito serão, no mínimo, preocupantes. “Já que os portugueses se mostraram tão preocupados por terem um primeiro-ministro que fuma e depois de já ter prometido que deixaria de o fazer, decidi usufruir do direito ao vício que me é reconhecido pelo artigo 371 da Constituição e iniciar o consumo habitual de cocaína por via nasal,” afirmou. Questionado sobre se esta decisão seria uma medida vingativa e algo infantil de alguém que se julga infalível e não aprecia ser chamado à atenção pelas falhas que comete, Sócrates respondeu da seguinte forma: “Ouça, não se trata de vingança. E, se alguém começar a afirmá-lo, não perderá pela demora.” Um dos principais motivos da visita à Venezuela foi a negociação de acordos petrolíferos com aquele país e, com a assunção deste novo vício, o chefe do executivo poderá negociar a compra de alguns quilos de cocaína de grande qualidade no Peru, o seu destino seguinte. Para sustentar doses futuras, Portugal poderá começar a ser vendido em lotes e não se descarta a hipótese de construir o novo aeroporto de Lisboa na ilha açoriana do Corvo, apenas por delírio de ressaca. 16/5

Fugir a boca para a verdade

Bob Geldof reuniu com dirigentes angolanos e ficou sem a carteira

O cantor e activista social não compreende a polémica gerada pela sua afirmação de que Angola é um país gerido por criminosos, referindo que esta foi retirada do contexto. O mentor do Live Aid referia-se ao encontro recente com governantes angolanos para discutir pormenores de um concerto de solidariedade, durante o qual algum dos presentes lhe terá roubado a carteira. “Diz-se que fazia uma crítica ao regime angolano, mas apenas manifestava o meu desagrado por ter ficado sem os documentos. Ainda por cima, tinha lá os números de telefone do Bono e da Angelina Jolie,” explicou. O cantor acrescentou ainda que, por pouco, não ficava também sem o relógio, surpreendendo o ministro da Cleptomania a deitar-lhe a mão ao pulso e questionando se um país sério terá necessidade de ter um ministro que tutele a cleptomania. Para Osvaldo Nhakula, ministro angolano do Carteirismo, Assaltos e Roubos de Estrada, foi uma calúnia vil. “Os angolanos não tolerarão que estrangeiros ofendam desta forma os seus governantes não eleitos e os que tolerarem terão o seu silêncio comprado com um quilo de arroz”, referiu. O governo angolano pretende provar que não há apropriações de fundos resultantes da imensa riqueza natural do país logo que se conclua a transferência de alguns sacos de dinheiro de uma conta offshore para a mansão que o presidente constrói na baía de Luanda com lingotes de platina a servir de tijolos. Em jeito de represália, Bonga terá já sido convidado a tecer comentários injuriosos acerca da Irlanda natal de Bob Geldof. 9/5

letreiratura

História de Portugal - Director's Cut

JÁ À VENDA

Compra online (sem portes) aqui.

Excerto aqui.

Clique aqui se for homem! Ou mulher. Ou alguma coisa intermédia. Clique aqui se tiver mãos ou qualquer outro tipo de apêndice que lhe permita manusear um rato de computador.

Novo cromo para a troca!

Álvaro Cunhal

(30/1/09)

interalarvidade

-As vossas vidas interessam-me. Agreguem-me ali no Twitter. Já agora, o Twitter da Inépcia também existe.

ÚLTIMAS

ACTUALIZADO DE VEZ EM QUANDO!

-"Olha lá. Porque não há RSS no site? Não achas que era útil? Toda a gente tem..." PRONTO, JÁ PERCEBI! Chatos d'um raio.

Subscrição RSS

-Edição especial de aniversário.

-Bonecada avulsa e mal-amanhada em www.inepcia.com/tribo Acessórios não incluídos. Actualizado: 27/2/09

-Vaca Cegueta. A voz do dono. 23 /8/08

a arte depois da sexta e antes da oitava

loja inepta

T-shirt "Odeio-te, Sócrates ", produto exclusivo disponível na Loja Inepta (as receitas revertem a favor das vítimas da estupidez congénita em Zanzibar).

Editorial

A Quintessência

Palavras de sabedoria em embalagem económica.

inter-actividade

Palavras leva-as o Bento

O regresso do saudoso espaço de discussão que mudou a vida de tão boa gente. E nem sempre para pior...

Fio de bÉque

"o vosso fãzine é de mau gosto, com um humor grosseiro e parôlo. o artigo à volta de camacho costa é inenarrável. o ildeberto beirão vai hoje ao casino figueira... humor é inteligência..."

ali ao lado

A Vingança da Violeta

Finalmente, uma aplicação não homossexual desta cor. Regozijai, famílias de Portugal!

parvoeira global

Click here for something in english

Muuuu!

A Vaca Cegueta

Depois de um coma prolongado, a vaca invisual preferida por 8 em cada 10 empresários de etnia cigana abandona as limitações da palavra escrita e rende-se às maravilhas da oralidade.

prata da casa

Diospirojoyeux

De Alexandre Louro e filhos. Também conhecido no Brasil como "Caquibacana."

espaÇO cidadania

Manifesto Godá

Une vraie bavaroise de caca.

choque de culturas

Inépcia - Edição Iraniana

pÉrolas a porcos

Galeria

Qual Serralves, qual Gulbenkian, qual quê!

divulgaÇÃo institucional

Conheça o Grão-Ducado do Bugio

miudezas

Contacto

Avisos à Navegação

Esta página em Flash

revista internacional

The White House

Hail Dubyus!

Modern Humorist

The Chaser

US Press

Ironic Times

Broken Newz

Mais porcaria desta

"Linque" para a Inépcia usando este magnífico GIF estilo Luís XIV.

(c) Inépcia 2009

A cantar desde Janeiro de 2001. Teor mínimo de originalidade: 97%

AVISO

As garantias dadas não correspondem necessariamente à verdade. Este e-zine poderá conter um teor não especificado de corantes e conservantes que poderão provocar cegueira, invalidez, militância política, catolicismo exacerbado e/ou morte temporária ou permanente. Não nos responsabilizamos por quaisquer efeitos secundários. Equipado com detector de segundas intenções. O cronista social Carlos Castro poderá não ser tão irritante como aqui se diz.

Aluga-se este espaço para casamentos e baptizados.