E-zine satírico sem corantes nem conservantes

Federação Portuguesa de Futebol acusa selecção do Liechtenstein de má fé

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol, Gilberto Madaíl, vai protestar junto da FIFA e da UEFA acerca do comportamento da federação do Liechtenstein e da sua selecção nacional que os portugueses acusam de má fé no recente desafio entre a selecção portuguesa e a equipa do principado alpino.

“Não foi muito leal comportarem-se como uma das equipas mais fracas da Europa só para apanhar os vice-campeões europeus desprevenidos e pregar-lhes uma partida de mau gosto como este empate a dois golos,” considerou o presidente da FPF.

E de acordo com o protesto que os portugueses apresentarão junto dos organismos que regulam o futebol mundial, o logro e a deslealdade foram ao ponto de a selecção do Liechtenstein, nos 50 desafios oficiais que disputou, ter conseguido apenas uma vitória, quatro empates (incluindo o empate com Portugal) e quarenta e cinco derrotas, que lhe valem o 151º lugar do ranking da FIFA, atrás de potências do futebol internacional como Hong Kong, a Gâmbia ou o Sri Lanka.

Além de tudo isto, os jogadores que representaram o Liechtenstein ao longo dos últimos anos aceitaram ter profissões extra-futebol de forma a poderem ser vistos como meros amadores e não como os futebolistas habilidosos que na realidade são, discípulos condignos da histórica escola do futebol alpino que tantas glórias tem dado ao desporto e que apenas poderá ser comparada com a mítica escola do futebol dos Pirinéus.

Gilberto Madaíl promete levar a questão até às últimas consequências e exigiu um pedido de desculpas oficial da federação do Liechtenstein. Se este pedido não for satisfeito, a FPF poderá tomar medidas drásticas tais como proibir a venda de camisolas e demais merchandising oficial da selecção do Liechtenstein ou até impedir que os jogos entre equipas do Liechtenstein sejam transmitidos para Portugal, medida que poderia entrar em vigor a tempo de impedir a transmissão do clássico entre o Balzers e o Vaduz aguardado ansiosamente por todos os apreciadores de futebol nacionais.

O seleccionador nacional, Luiz Felipe Scolari, não quis comentar esta polémica mas manteve a sua posição de que o empate não foi um resultado tão escandaloso que se fez crer e que prefere não pensar mais no assunto até porque “para um brasileiro, é muito difícil dizer a palavra Liechtenstein.”