Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Príncipes das Astúrias garantem que compensaram mais tarde não se terem beijado na boca em público

O príncipe e a princesa de Astúrias, Felipe de Bourbon e Letizia Ortiz, recém-casados, garantiram a todos que o facto de não se terem beijado na boca em público foi compensado mais tarde, durante a noite de núpcias. Esta garantia surge após vários meios de comunicação social, sobretudo em Portugal, terem veiculado uma certa preocupação pelos beijos tímidos trocados pelos noivos em público que consideraram prenúncio de que algo não ia bem no relacionamento do casal.

“Quero assegurar aos espanhóis e também aos nossos amigos portugueses em meu nome e em nome da minha esposa,” afirmou o príncipe em declarações oficiais, “que a ausência de beijos mais calorosos se deveu apenas a pudor e não deverá ser interpretado como falta de afecto.” A ex-jornalista convertida em princesa acrescentou logo a seguir, dando mais uma vez mostras da sua forte personalidade, que “compensaram a falha à noite depois de recolherem ao recato dos seus aposentos.” O futuro rei de Espanha sorriu e acrescentou com um sorriso: “E de que maneira.”

O casal mais mediático do momento surgiu no pátio do Palácio da Zarzuela, residência oficial da família real, de mãos dadas e com frequentes piscadelas de olho entre si. Depois de responderem a algumas perguntas dos jornalistas, os príncipes retiraram-se colocando a mão sobre as nádegas um do outro.

No entanto, mesmo estas demonstrações públicas de afecto não convencem os observadores mais perspicazes. Lili Caneças, conhecida figura do jet-set português e especialista em protocolo das várias monarquias europeias, foi uma das primeiras a comentar a ausência de um beijo nos lábios e as possíveis implicações do facto. “É óbvio que dar um beijo na boca é diferente de não dar um beijo na boca,” comentou, lembrando que, no casamento do príncipe Hans Adam do Liechtenstein, o noivo também não beijou a noiva na boca, o que ia provocando um incidente político grave quando o parlamento colocou em casa a continuidade do regime monárquico e que só foi sanado quando o príncipe fez uma digressão por todo o país, beijando a princesa na praça principal de cada cidade e lugarejo, valendo-lhes o facto de o Liechtenstein ser um país pequeno ou ter-lhes-ia sucedido o mesmo que a Nicolau II, último czar da Rússia, que foi forçado a fazer o mesmo e só voltou a recuperar a mobilidade da língua três meses depois.

José Carlos Imbecil, director do jornal 24 Horas, uma das publicações que chamou a atenção para a ausência de beijo na boca, considera que “não é bem assim” e que “qualquer observador mais informado perceberá que o que isto quer dizer é que o príncipe é homossexual e a princesa é activista da ETA.”

Para acabar de uma vez por todas com as dúvidas, a casa real espanhola prometeu já disponibilizar gravações vídeo da noite de núpcias dos príncipes que os felizardos que já as puderam visionar garantem ser tórridas.

Recuar