Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Americanos forçaram prisioneiros de guerra a ver a TVI

A Inépcia teve acesso a novas imagens surpreendentes de maus tratos aplicados por tropas americanas a prisioneiros de guerra iraquianos que podem prejudicar ainda mais a imagem dos países envolvidos na coligação internacional que derrubou o governo do ditador Saddam Hussein. As imagens estavam gravadas numa cassete VHS de 180 minutos comprada na Feira da Ladra juntamente com uma camisa a imitar seda, um busto de Salazar em louça de casa-de-banho e um LP intitulado “Madalena Iglésias & António Calvário-The Punk Years.”

Nelas, pode ver-se um grupo de prisioneiros iraquianos, ao que tudo indica, membros da temida guarda republicana de Saddam, detidos na cadeia de Al-Katrah nos arredores de Bagdad, de mãos atadas, sendo forçados a olhar para um écran em que eram projectadas imagens de programas da TVI. No pescoço de cada um, foi colocado um dispositivo que emitia descargas eléctricas sempre que algum dos prisioneiros tentava virar a cara para outro lado. Ocasionalmente, os militares americanos presentes e que parecem deleitar-se com o sofrimento alheio enquanto usam as mãos para escudar as imagens da televisão, agridem os prisioneiros que tentam fechar os olhos com bastões envolvidos em arame farpado.

A Amnistia Internacional já reagiu às imagens, qualificando este tipo de comportamento como “desumano e absolutamente inaceitável mesmo num cenário de guerra como o que se vive actualmente no Iraque,” recordando ainda que qualquer utilização militar de programas da TVI é expressamente proibida pela Convenção de Genebra.

O secretário da Defesa americano, Donald Rumsfeld, voltou mais uma vez a pedir desculpa ao povo iraquiano e à comunidade internacional pelo comportamento dos seus militares e garantiu que os responsáveis serão severamente punidos pelos seus actos. “É claro que aquele comportamento não pode ser desculpado mas não nos podemos esquecer de que o exército iraquiano bombardeou as nossas tropas com galas da Operação Triunfo, o que pode constituir uma atenuante,” afirmou.
Entre os programas da TVI usados nestas sessões de tortura, destacam-se “A Vida é Bela” de Carlos Ribeiro, “Olá Portugal” de Manuel Luís Goucha e “Eu Confesso” de Júlia Pinheiro. Os que mais mazelas provocaram, existindo inclusive a possibilidade de terem provocado mortes, foram programas em que participou o ex-concorrente do Big Brother original, Marco Borges.

Nas imagens a que tivemos acesso, são visíveis prisioneiros iraquianos a uivar de dor quando forçados a acompanhar a reportagem efectuada por um Marco em pelota na colónia nudista brasileira da Colina do Sol ou o magazine cultural “Toma Lá e Não Chora”, nunca exibido por motivos de decoro, em que Marco terminava cada programa com uma referência à actividade cultural a desempenhar nessa noite. O programa foi cancelado quando Marco resolveu dizer “eu hoje vou apalpar uma boazona... ‘tou a brincar pá... não vou nada que eu agora sou um gajo casado e pai de filhos... mas bem me apetecia, ó catano” no final da primeira edição.

José Eduardo Moniz, director da TVI, considera natural que “uma televisão de sucesso como a TVI tenha audiências também no Iraque” e confessa que o método de aplicar choques eléctricos às pessoas que se recusarem a ver as emissões do canal é prática corrente também em Portugal, o que explica em parte o sucesso alcançado. “Além disso, o I da nossa sigla também pode querer dizer Iraque e estamos já a pensar montar uma filial em Bagdad,” afirma, “Até já contratámos o Manuel Luís Goucha e a Carla Andrino para fazerem umas emissões especiais do Olá Portugal em árabe.
A Inépcia contactou o ex-embaixador iraquiano em Lisboa, Mohammed Gabrey, e actual caixa de um restaurante da cadeia McDonald’s, que se mostrou “chocado” com as imagens. “Uma coisa é urinarem-nos em cima, outra é obrigarem o meu povo a olhar para a Manuela Moura Guedes,” considera.

Recuar