E-zine satírico sem corantes nem conservantes

Souto Moura assume cargo de provocador-geral da República

O procurador-geral da República, Souto Moura, foi nomeado para assumir um novo cargo em simultâneo com as funções que desempenha actualmente. Trata-se do cargo de provocador-geral da República, cargo recém-criado e que promete aproveitar ao máximo as qualidades que tem demonstrado para o lançamento de boatos, criação de polémicas várias e comentários ambíguos.

“Estou disponível para dar mais este contributo à justiça em Portugal e ter mais umas quantas oportunidades para exibir este carismático bigode,” confessou Souto Moura. As funções de provocador-geral da República são diversas e incluem contactos frequentes com a imprensa com o objectivo de perturbar o decorrer de processos judiciais polémicos como o recente processo Casa Pia em que Souto Moura deu nas vistas, mostrando que, para alguém que deveria zelar pelo normal funcionamento da justiça, tem um grande talento para fazer exactamente o contrário.

Com a criação deste cargo, o Governo pretende acabar com os problemas que têm sido provocados pela verborreia de Souto Moura, usando uma técnica que já provou ser eficaz no passado e que consiste em pegar num problema, manipular o contexto, tornando o problema algo normal e acabando com os motivos de preocupação. Para além disso, a aparente contradição entre os dois cargos terá sem dúvida um efeito qualquer.

De acordo com o ministro da Justiça, Aguiar Branco, “esta é a primeira ocasião em que tenho oportunidade de aparecer perante o grande público e espero que as pessoas lá em casa gostem de mim e decorem o meu nome,” acrescentando a respeito da polémica que o cargo de provocador-geral da República pode gerar que “pelo menos, sempre tenho melhor aspecto que a Celeste Cardona.”
Na sequência desta medida, será também criado em breve o cargo de provador de justiça entregue a Nascimento Rodrigues, o actual provedor de justiça, que acumulará a responsabilidade de averiguar a qualidade da comida servida nas cantinas das prisões e tribunais de todo o país.