Inépcia: s.f. (do latim "ineptia") 1-Falta de aptidão ou habilidade. 2-Imbecilidade 3-Acto ou dito absurdo.
www.inepcia.com

Veterinário alerta para surto de doença em Portugal que afecta classe política

Um veterinário belga alertou para a ocorrência de um surto em Portugal de Febre Histérico-Imbecil do Congo, uma doença que afecta exclusivamente a classe política. O doutor Julius Kerkhoven, um dos mais conceituados veterinários do BENELUX, considera que “podemos estar perante uma situação de risco” e recomenda às autoridades portuguesas a adopção imediata de medidas que permitam evitar a propagação.

O surto foi detectado após um eurodeputado português se ter comportado de modo invulgar no decorrer de uma sessão parlamentar. Dizem os colegas que o eurodeputado, que permanece no anonimato, se levantou quando um colega finlandês falava sobre os apoios à silvicultura e subiu para cima da bancada, baixando as calças até aos tornozelos e gritando “tu queres é disto” enquanto apontava para as nádegas. Foi de imediato conduzido à clínica veterinária do dr. Kerkhoven em Bruxelas onde, após testes intensivos se revelou padecer da Febre Histérico-Imbecil do Congo, uma doença que afecta o sentido do ridículo e vai degradando gradualmente a vergonha dos políticos contagiados, podendo conduzir a um estado que os especialistas designam por “albertojoãojardinite.”

A doença foi diagnosticada pela primeira vez no Congo Kinshasa na década de 60, num período que coincidiu com a independência da colónia belga, tendo o vírus sido identificado alguns anos mais tarde em 1971 por cientistas egípcios. Foi Patrice Lumumba, chefe do primeiro governo congolês independente, o primeiro doente identificado. De acordo com relatos da época, quando foi avisado de que o coronel Mobutu, líder dos militares revoltosos, pretendia capturá-lo, Lumumba saiu disparado pelo corredor do edifício-sede do governo, equilibrando um vaso de geribérias na cabeça e cantando a Marselhesa. Só houve tempo de proceder a exames superficiais visto que o paciente foi fuzilado pouco tempo depois.

O eurodeputado português efectuou recentemente uma deslocação oficial à Zâmbia e a proximidade entre este país e o Congo-Kinshasa poderão indiciar que foi este o local do contágio. A caminho de Bruxelas, terá passado por Lisboa onde terá permanecido durante quinze dias, permanência que estará na origem do surto. Em Bruxelas, eurodeputados e funcionários do parlamento foram submetidos a exames e nada indica que existam mais casos. No entanto, notícias divulgadas pela televisão belga dando conta das reacções dos políticos portugueses aos muitos escândalos que têm abalado o país, alertaram o doutor Kerkhoven que reconheceu no comportamento de várias personalidades cimeiras da política nacional os sintomas da Febre Histérico-Imbecil do Congo.

A Febre Histérico-Imbecil do Congo é altamente contagiosa transmitindo-se de político para político a uma velocidade vertiginosa através de apertos de mão, moções de censura ou troca de ajudas de custo. Quando detectada a tempo pode ser curada através de eutanásia gradual, seguida de incineração da carcaça e distribuição do conteúdo da conta bancária pelos familiares, amigos, amantes e proxenetas de confiança. Por enquanto, não se sabe se a doença pode ser transmitida aos humanos.

Recuar